Comércio sem acessibilidade perde oportunidades. Fique atento!

Compartilhe »»


A indústria de viagens perderá uma “enorme oportunidade comercial” e um “futuro brilhante e otimista” se não se abrir às necessidades de clientes com mobilidade reduzida, de acordo com os principais líderes do setor de turismo acessível.

Essa foi a mensagem no Seminário de Viagem Acessível e Turismo da Abta, com a participação de operadores turísticos, agentes, conselhos de turismo e instituições de caridade.

O defensor do setor de turismo do governo para o setor de turismo, Chris Veitch, disse que atender clientes com necessidades de acessibilidade é uma “coisa realmente poderosa para se fazer negócios“.

“Existem benefícios para um negócio; devemos ver isso como uma ferramenta de negócios, melhorando a qualidade da experiência para os clientes”, disse Veitch, acrescentando que a indústria precisava parar de colocar os clientes com deficiência em uma categoria separada.

“Precisamos derrubar os rótulos; não há pessoas com deficiência; eles são apenas clientes, mas precisam que as empresas os entendam”.

Os benefícios para as empresas incluem maiores oportunidades de mercado; mais retorno de clientes e recomendações; responsabilidade social; melhor sustentabilidade financeira; e uma proposta única de venda, disse Veitch.

Angus Drummond, chefe executivo da operadora de turismo Limitless Travel, também pediu aos políticos para abraçar este setor, disse que vale a pena 12 bilhões de Libras Esterlinas (aproximadamente 62 bilhões de Reais Brasileiros) por ano só para o turismo do Reino Unido.

“Acredito que há uma enorme oportunidade no mercado para empresas que estão dispostas a abrir e atender pessoas com deficiência”, disse ele. “Eu não acho que [no momento] haja reconhecimento da indústria dos benefícios comerciais”.

Magnus Berglund, diretor de acessibilidade do Scandic Hotels Group, disse que sua empresa é um exemplo de uma empresa que se beneficiou financeiramente, concentrando-se nas necessidades dos hóspedes com mais eficiência, melhorando o produto e educando a equipe do hotel, do concierge aos faxineiros.

Ele disse: “Nós ganhamos dinheiro extra e temos mais negócios apenas educando as pessoas sobre o que estamos fazendo. Precisamos educar todos no setor de turismo. O foco tem que estar nos convidados.

Geoff Adams-Spink, consultor em igualdade para pessoas com deficiência, alertou que o futuro do setor pode ser comprometido se não se adaptar adequadamente aos requisitos de acessibilidade dos clientes.

Ele disse: “Se você não se adequar, a indústria de viagens não terá o futuro brilhante que eu acho que tem. Sabemos que a demografia da sociedade está se movendo para mais e mais pessoas acima de 60 anos e 65 anos e sabemos que, à medida que as pessoas envelhecem, adquirem deficiências”.

Nenhum comentário

Seu Comentário é muito importante para nós.

Tecnologia do Blogger.