12/04/2018


Campanha defende acessibilidade para pessoas com deficiência visual em cafés, bares, lanchonetes, fast foods e restaurantes.
⠀⠀⠀

Iniciativa batizada de 'Aqui tem cardápio acessível' é promovida pela Fundação Dorina Nowill para Cegos em redes como América, Havana, Johnny Rockets, McDonald's e Rei do Mate.
⠀⠀⠀
Ação inclui o 'Guia de Atendimento à Pessoa com Deficiência Visual'.
⠀⠀⠀
"É uma forma de identificar e divulgar estabelecimentos que tornaram seus ambientes e serviços mais acessíveis. Produzir material em braile e fonte ampliada faz diferença para consumidores com deficiência visual, idosos ou pessoas com dislexia", diz a Fundação.
⠀⠀⠀
O Brasil tem 6,5 milhões de cidadãos com deficiência visual, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A Lei nº 10.098/2000, chamada de Lei da Acessibilidade, determina a oferta de cardápios em braile nos estabelecimentos que servem alimento.
⠀⠀⠀
Fonte: Instagram Blog Vencer Limites


Cultura Inclusiva promove programação de Peças de Teatro com Libras em São Paulo


Ação organizada pelas Secretarias Municipais de Cultura (SMC) e Pessoas com Deficiência (SMPED) para incluir pessoas com deficiência auditiva na cultura


Compartilhe:

A Secretaria Municipal de Cultura em parceria com a Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência promove em abril uma série de peças teatrais gratuitas com interpretação de Língua Brasileiras de Sinais. O objetivo é incluir a população com deficiência auditiva – moderada ou severa – no circuito de cultura de São Paulo.

Os espetáculos integram o projeto “Cultura Acessível”, ação de incentivo a participação de pessoas com deficiência na programação cultural do município.

No dia 14, as peças “Show de Cabaré” e “DARWIN BR” animam o segundo sábado do mês. Cada montagem voltada a um público, desde adulto até infantil, para a diversão de toda família.

Já no dia 16, “A Serpente” será apresentada no teatro Teatro Arthur Azevedo, na Mooca, a partir das 21h. O espetáculo conta a história das irmãs Guida e Lígia, que não medem esforços para ajudar uma a outra.
E no dia 30, última segunda-feira de cada mês, tem ‘Teatro na Mário’ com acessibilidade. O monólogo “Isso não é um Sacrifício”, interpretado pela atriz Fernanda DUmbra, entra em ação às 19h, abordando o apedrejamento, metafórico e literal, sofrido pelas mulheres em seus cotidianos.

Toda a programação é gratuita e contará com intérpretes de Libras.

Confira a programação acessível completa do mês de abril:

Peça: “Cia Liquidificador apresenta: Show de Cabaré”
Quando: sábado, 14/4, às 16h
Onde: Casa de Cultura da Brasilândia – Praça Benedicta Cavalheiro, s/nº.

Resumo: Trata-se de uma apresentação interativa. Uma trupe realiza audições para completar o elenco do seu próximo show de cabaré e convidam o público a demonstrar o seu talento. Entre uma apresentação e outra do grupo, a plateia é convidada a demonstrar suas habilidades artísticas, dentre elas: tocar uma música, cantar, dançar, fazer malabarismo, contar piada etc. Para auxiliar na execução dos números, o público tem à sua disposição diversos adereços e instrumentos.


“DARWIN BR”
Quando: sábado, 14/4, às 16h
Onde: Teatro Décio de Almeida Prado – Rua Cojuba, 45-B, Itaim Bibi

Resumo: O espetáculo infantil Darwin BR se inspira na passagem do cientista Charles Darwin pelo Brasil durante sua viagem de cinco anos ao redor do mundo. O Brasil foi o primeiro país tropical por onde o naturalista passou, e a variedade presente nas florestas e nos animais brasileiros deixou Darwin muito impressionado, o que rendeu muitos comentários ao longo de sua vida.


“A Serpente”
Quando: sexta-feira, 20/4, às 21h
Onde: Teatro Arthur Azevedo – Av. Paes de Barros, 955 – Mooca Site externo

Resumo: O espetáculo conta a história Guida e Lígia, duas irmãs muito ligadas que se casaram no mesmo dia e moram juntas, dividindo um apartamento com seus respectivos maridos. Um ano depois, Guida vive uma intensa lua de mel e Lígia é praticamente virgem. Infeliz, Lígia expulsa o marido de casa e conta à irmã que pensa em morrer. Guida faz a seguinte proposta: Lígia deve passar uma noite com seu marido, Paulo, para desistir de se matar.

Jorge Amado de Todos
Quando: domingo, 22/04, às 16h
Onde: Casa de Cultura Casarão – Praça Oscár da Silva, 110, Vila Guilherme

Resumo: Este espetáculo homenageia o Escritor Jorge Amado. A oportunidade de reapresentar autor e obra é momento para reflexão sobre tradições críticas na cultura brasileira, que ele representa tão bem. Discutir sua produção é pensar sobre lutas sociais em escala mundial e abordagens específicas a respeito dessas experiências no Brasil, tratando de grandes problemas que perturbam a vida de homens e mulheres até nossos dias, como racismo, opressão contra mulheres e pobres, perseguição contra religiosidades populares, migrações, exploração do trabalho e outros.

“Isso não é um Sacrifício”
Quando: segunda-feira, 30/4, às 19h
Onde: Biblioteca Mário de Andrade – R. da Consolação, 94 – Consolação

Resumo: O monólogo aborda o apedrejamento, metafórico e literal, sofrido pelas mulheres em seus cotidianos. A atriz Fernanda DUmbra utiliza um microfone em cena e é acompanhada por música ao vivo.

Fonte: Vida mais Livre

04/04/2018

Corrida pela lesão medular. Wings for Life World Run acontece no Rio de Janeiro.



Corrida pela lesão medular. O Wings for Life World Run é uma competição de corrida realizada no primeiro fim de semana de maio desde 2014. É a maior corrida simultânea do planeta, com mais de 150 mil pessoas do mundo inteiro, terá o Rio de Janeiro como sede em 06 de maio de 2018.

Sucesso global, a competição deste ano contou com a participação de corredores e corredoras de 189 nacionalidades diferentes e conseguiu arrecadar 6,8 milhões de euros (cerca de 25,5 milhões de reais) à fundação Wings for Life, oriundos do valor integral pago pelas inscrições, 100% dedicado à pesquisa científica.

A fundação sem fins lucrativos Wings for Life foi criada pelo bi-campeão mundial de motocross Heinz Kinigadner e pelo fundador da Red Bull, Dietrich Mateschitz, em 2004. Seu objetivo é encontrar um tratamento para lesões na medula espinhal e paraplegia. Portanto, a fundação apoia pesquisas e estudos sobre lesões na medula espinhal e na medula espinhal financeiramente.

A corrida é aberta a todos, profissionais, bem como membros ou não membros de clubes de corrida. A taxa de inscrição é doada inteiramente para a fundação, o principal patrocinador Red Bull cobre os custos do evento. O valor da inscrição é de R$ 150, 100% é destinado à pesquisa sobre lesões da medula espinhal. Se o limite de participantes (7.000) não for atingido,

Corrida pela lesão medular. Entenda e participe.


Corrida “World”

O nome Wings for Life World Run vem do fato de que a corrida acontece em 34 ou 35 locais diferentes ao redor da Terra ao mesmo tempo. Isso significa que os corredores na Europa ou na África correm ao meio-dia enquanto os participantes na Ásia e na Austrália, à tarde ou à noite. Nas Américas, a corrida é no início da manhã ou mesmo durante a noite.


O “Catcher Car”

O Wings for Life World Run é excelente porque não há distância prescrita para cobrir, por exemplo, 10 km ou 42,195 km, como em uma maratona. Assim, corredores de níveis muito diferentes podem igualmente participar.


100 km são preparados em cada local. Todos os participantes começam ao mesmo tempo, o chamado “Catcher Car” percorre a pista 30 minutos após o início. A velocidade é de 15 km/h no início e aumenta passo a passo. Uma vez que um corredor é ultrapassado pelo carro, a corrida termina para eles. Os barramentos trazem os participantes eliminados de volta à área inicial. Assim, o que conta com o lado do esporte não é o tempo necessário para cobrir uma determinada distância, mas a distância percorrida antes que o Catcher Car ultrapasse um.

Os últimos corredores femininos e masculinos restantes em cada local são os vencedores locais da Wings for Life World Run e ganham o direito de começar no ano seguinte em um local de sua escolha. A mulher e o homem que percorreram a maior distância em todo o mundo são os Campeões Mundiais Wings for Life World Run e são recompensados com uma viagem ao redor do mundo como prêmio especial.

As condições e pistas variam bastante. Os carros do coletor são dirigidos precisamente usando navegação por satélite global, portanto, uma comparação entre os diferentes locais ainda é possível. Para te mais informações detalhadas do evento e como se inscrever, acesse a página oficial em Wings for Life World Run Rio de Janeiro.

03/04/2018

Cadeirante sofre fratura, mas chega a 5,3 mil metros de altitude no Monte Everest

Um australiano em cadeira de rodas atingiu o campo base do Monte Everest por seus próprios meios e se disse "honrado" por ser o primeiro paraplégico a realizar a escalada praticamente sem ajuda. Scott Doolan, de 28 anos, alcançou a face sul da montanha mais alta do mundo, pelo lado nepalês, a 5.364 metros de altitude — um lugar ao qual geralmente só é possível chegar a pé ou de helicóptero.

Ele precisou de dez dias para subir. Deslocou-se sobre um terreno rochoso e de grande altitude em sua cadeira de rodas, quando era possível, ou com as mãos. Em algumas ocasiões, foi levado por colegas que o acompanhavam. Durante a façanha, Doolan sofreu uma fratura do cóccix.

O australiano vive em uma cadeira de rodas desde os 17 anos, quando fraturou a coluna vertebral em um acidente de carro. Precisou de anos para voltar a fazer esporte e treinou durante oito meses para este desafio, por meio de exercícios cardiovasculares e musculares diários para reforçar a parte superior de seu corpo. Perto da meta, ele teve dificuldade de respirar por estar em deslocamento com as mãos.

"Lembro simplesmente de ter olhado para cima e ter visto umas vinte pessoas. Quando cheguei, todos começaram a me aplaudir", explicou Doolan.

Para avançar com o peso do corpo sobre as mãos, usava cinco pares de luva. No sétimo dia, uma das pequenas rodas auxiliares colocadas diante da cadeira quebrou.

"Estava bastante abatido. Simplesmente me encontrei sozinho sobre uma rocha me perguntando o que ia fazer", contou o australiano à agência France Presse, já em Katmandu, para onde foi levado após o feito e passou por avaliação médica.

A equipe amarrou uma corda na parte quebrada da cadeira para que ela não virasse. Com isso, porém, passar pelos caminhos estreitos tornou-se uma tarefa ainda mais difícil.

Apesar de todos os esforços na preparação, Doolan confessou q.ue foi 100% mais difícil do que havia imaginado.

"Não esperava que o terreno fosse tão difícil. Nunca o havia visto e nunca treinei sobre um terreno desse tipo", explicou.


O australiano já projeta uma próxima aventura: quer nadar com as cores da Austrália nos Jogos Paralímpicos de Tóquio-2020.


/
Fonte: Extra 

Projeto estimula convivência entre crianças e deficientes visuais

Por meio de exposições e atividades lúdicas, programa aproxima jovens de escolas municipais de crianças e adolescentes com deficiência visual

Crianças do ensino público de SP conhecem a realidade de quem não enxerga
Reprodução/Fundação Dorina Nowill

Um projeto criado pela organização filantrópica Fundação Dorina Nowill para cegos busca aproximar crianças e adolescentes da rede municipal de ensino de São Paulo de outras crianças, jovens e adultos cegos e com baixa visão atendidos pela instituição.

A proposta é receber até junho desse ano cerca de sete mil crianças e adolescentes para caminhar de olhos vendados, com bengalas nas mãos e ter contato com o alfabeto e livros em braile, brincar com bolas com guizos e experimentar outras atividades lúdicas que fazem parte da programação especial da Fundação.

O contato com as escolas se dá por meio da própria Fundação Dorina Nowill e também por meio de escolas interessadas em conhecer o programa. As visitas ocorrem diariamente, de segunda a sexta-feira, nos períodos da manhã e da tarde.

O objetivo do projeto é, segundo a instituição, é aproximar os participantes da realidade de pessoas cegas e com baixa visão. Durante as visitas, as crianças e adolescentes poderão também conhecer a história da luta de pessoas com deficiência visual no Brasil e no mundo por meio do Centro de Memória da fundação.

Com um acervo de mais de quatro mil peças, incluindo utensílios, fotografias e material auditivo, o centro é o primeiro espaço do país a considerar a cultura da deficiência visual como patrimônio histórico.

Durante o passeio, a Fundação expõe aos alunos pautas de braile de 1945, a evolução dos aparelhos auditivos desde 1970 para acompanhamento de trechos de livros falados, máquinas de escrever em braile, a evolução das bengalas e até a reprodução do ambiente doméstico, adaptado para deficientes visuais.

O projeto é realizado a partir de uma parceria entre a Fundação Dorina Nowill com o apoio Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, CMDCA – Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente e da Prefeitura de São Paulo. As visitas são organizadas a partir de grupos separados por faixas etárias: 7 e 8 anos, 9 a 12 anos ou 13 a 17 anos.

Para mais informações:

incluindocm@fundacaodorina.org.br



A instituição também mostra como escrever em braile
Divulgação/Fundação Dorina Nowill

O projeto apresenta o alfabeto braile para as crianças
Divulgação/Fundação Dorina Nowill


Fonte: R7

27/03/2018

Conheça a história do homem que só adota crianças em estado terminal



A adoção já é em um ato de amor e compaixão. Mas adotar uma criança em estado terminal é o bem sendo aplicado com toda sua força. Pois é exatamente isso que um homem de Los Angeles, nos Estados Unidos, faz há anos, abrindo seus braços para os pequenos que necessitam de amor e afeto no final de suas vidas.

Mohamad Bzeek, um líbio de 62 anos, chegou aos Estados Unidos em 1978 para estudar em uma universidade. Alguns anos depois, conheceu Dawn, sua futura esposa e a pessoa que o inspirou a iniciar essa jornada. Juntos, os dois cuidaram de muitas crianças até que, no meio dos anos 1990, passaram a se dedicar apenas àquelas em estado terminal.

O casal continuou seu trabalho mesmo depois de seu único filho, Adam, ter nascido com nanismo e com a doença dos ossos quebradiços. Mesmo garoto, Adam sempre soube que seus irmãos adotivos passariam pouco tempo com ele, mas foi ensinado a buscar a alegria em cada pequeno momento.

Dawn morreu de câncer há alguns anos, mas Bzeek resolveu seguir em sua missão. Sozinho, o líbio passou a receber pequenos que precisam de amor, carinho e atenção em suas vidas, já tão afetadas por alguma doença e pelo abandono.
Ao longo dos anos, Bzeek adotou mais de quarenta crianças. Dez delas morreram em sua casa, algumas literalmente em seus braços. “Eu sei que elas vão morrer. Faço o melhor como ser humano e deixo o resto para Deus,“ disse ele ao jornal espanhol “El Mundo”. “Você deve amá-los como se fossem seus filhos, esse é o segredo.”

Atualmente, Bzeek cuida de uma garota de seis anos com uma doença cerebral rara, que a faz sofrer constantes convulsões. Ela também é cega e surda. “Eu sei que ela não pode ouvir ou ver, mas sempre falo com ela. Estou sempre brincando com ela, segurando-a em meus braços. Ela tem sentimentos e uma alma. Ela é um ser humano.”

Fonte: Tudo Bem

Peças de teatro com Libras marcam programação cultural acessível do mês de março


Iniciativa organizada pelas Secretarias Municipais de Cultura (SMC) e Pessoas com Deficiência (SMPED) tem como objetivo facilitar o acesso de pessoas com deficiência na cultura


Com o intuito de inserir a população com deficiência no circuito cultural da cidade de São Paulo, a Secretaria Municipal de Cultura em parceria com a Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência divulga neste mês de março uma programação gratuita de peças teatrais que contarão com interpretação em Libras. 

No dia 23, a peça “Mais um Toque de Preto Comedy” estará em carta no Teatro Martins, no Centro Cultural da Penha. A montagem feita pela Drag Queen Ingrid Bryan, envolve a plateia nos casos do dia a dia da personagem. 

A criançada também não fica de fora da programação! No dia 25, no Teatro Décio de Almeida Prado, a Cia. BuZum! apresenta “DarwinBR”, em que mostram a história do naturalista Charles Darwin e sobre sua teoria da evolução das espécies. 

Já a Biblioteca Mário de Andrade será palco da montagem do musical solo “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, dirigido por Regina Galdino e interpretado por Marcos Damigo. 
Toda a programação é gratuita e conta com tradução para Língua Brasileira de Sinais.


Confira a programação cultural acessível:

Programação com Libras:

Peça: Página Mágica
Data: 29/03 (quinta-feira)
Horário: 10h
Local: Biblioteca Pública Municipal Vinicius de Moraes - Av. Jardim Tamoio, 1.119


Espetáculo do Circo: Transferência 
Data: 31/03 (Sábado)
Horário: 21h 
Local: Teatro Paulo Eiró - Av. Adolfo Pinheiro, 765 
Sobre: O que acontece no metrô que você não vê? Quantas histórias cruzam seu caminho sem que você se dê conta? Transferência é um espetáculo circense que leva os espectadores junto com a trupe numa viagem divertida e inesperada pelas linhas do metrô de São Paulo.

As senhas começarão a ser distribuídas 1h antes do início das atividades.


Pessoas com deficiência testam novas bikes adaptadas em Salvador


Magrelas do Bike Sem Barreiras ficam disponíveis todo domingo na Magalhães Neto, no bairro da Pituba


A designer Mariana Andrade, 23 anos, via todos os seus amigos pedalando e não podia acompanhá-los. Uma paralisia cerebral comprometeu seus movimentos das pernas e ela não encontrava bicicletas adaptadas. “Comecei a procurar esse ano, mas não encontrei nada muito barato. Acabei desistindo”, contou.

As comemorações do aniversário de Salvador, capital baiana, fizeram este sonho de Mariana se tornar realidade. Na manhã deste domingo (25), pessoas com mobilidade reduzida puderam experimentar esta sensação tão comum de andar em cima de uma magrela.

O projeto Bike Sem Barreiras disponibilizou gratuitamente três tipos de bicicletas adaptadas e monitores na Avenida Magalhães Neto para que mais pessoas tivessem acesso ao programa Salvador Vai de Bike, que democratizou o acesso dos soteropolitanos às bicicletas.

Em um dos modelos, a pessoa ficava em uma espécie de cadeira acoplada a uma bike, em outro o ciclista especial pedalava com as mãos, e o terceiro tipo era uma bicicleta dupla, em que o monitor ia na frente conduzindo o guidom e a outra pessoa, atrás, pedalando.

“Foi muito bom usar a bicicleta em que eu pude pedalar com a mão. É maravilhoso você estar lá, fazer o esforço e ver o resultado. Agora estou animada para as próximas edições”, disse a jovem, cheia de empolgação.

Ela foi acompanhada da amiga Ana Caroline Andrade, 22, que disse que foi Mariana que chamou os amigos para conferir a novidade.

A partir deste domingo (25), as bikes adaptadas com os monitores estarão disponíveis todo domingo, das 8h às 12h, na Magalhães Neto, na Pituba. A iniciativa é uma parceria do Movimento Salvador Vai de Bike com a Unidade de Políticas para Pessoa com Deficiência (UPCD), Faculdade Maurício de Nassau e apoio da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer.

Mais esporte

Quem gosta de esporte teve opção de sobra neste domingo ensolarado. O dia começou com a corrida comemorativa Salvador 10 milhas. Com largadas simultâneas no Rio Vermelho e Igreja da Conceição da Praia, no Comércio, a prova teve um ponto de chegada todo especial: a Ponta de Humaitá.

O tradicional passeio ciclístico de aniversário da cidade, realizado pelo Movimento Salvador Vai de Bike, não deixou de acontecer este ano. A novidade ficou por conta dos locais de partida e chegada. Cerca de 500 ciclistas saíram às 8h do Salvador Shopping e pedalaram até o Farol da Barra.

Fonte: Correio 24h 

21/03/2018

Globo promove ação para o "Dia Internacional da Síndrome de Down"



O dia 21 de março – essa quarta-feira – é o "Dia Internacional da Síndrome de Down". Pensando nisso, a Globo criou uma ação de conscientização acerca do tema para os perfis oficiais da emissora nas mídias sociais.

A ideia da campanha é chamar a atenção para a importância de uma comunicação inclusiva e que não reforce preconceitos. Ao longo do dia, serão publicados cards com mensagens como "você tem uma necessidade especial: conhecer as palavras certas para se referir a uma pessoa com síndrome de Down.".

O site de Responsabilidade Social da Globo traz ainda um glossário de palavras e termos que devem ser aplicados corretamente às pessoas com a deficiência – este foi desenvolvido pela Aliança Global para a Inclusão das Pessoas com Deficiência na Mídia e Entretenimento (Gadim) em parceria com o Instituto MetaSocial.

No próximo domingo, 25, o "Fantástico" recebe ainda uma banda formada especialmente para celebrar o Dia Internacional da Síndrome de Down. Os cantores Herbert Vianna, Gabriel Pensador, Fernanda Abreu e Frejat reforçam o coral formado pelos jovens com a síndrome da Cia Musical Andrea Lobato e apresentam, em conjunto, duas músicas no palco do programa: "É Preciso Saber Viver" e "Como é Grande o Meu Amor por Você".

Fonte: Tela Viva

19/03/2018

SPTrans cria ônibus para receber até 4 cadeirantes em nova linha até o Centro Paralímpico


Iniciativa inédita garante maior acessibilidade e inclusão ao transporte público. A linha 605A/10 – Centro Paralímpico – Metrô Jabaquara terá veículos 100% acessíveis, começará a circular no dia 17 de março, e transportará, em média, 2.500 pessoas por dia útil


Pela primeira vez atletas, esportistas amadores, funcionários e frequentadores em geral poderão ir e voltar do Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro (CPB) utilizando uma linha do transporte coletivo municipal projetada especialmente para as necessidades de pessoas com deficiência e dificuldades de locomoção. A SPTrans desenvolveu uma configuração inovadora de miniônibus com acessibilidade completa, e sem catraca, para acomodar até quatro cadeiras de rodas.

Com isso, os frequentadores do Centro de Treinamento Paralímpico, no km 11,5 da rodovia dos Imigrantes, perto da estação Jabaquara, poderão fazer seus deslocamentos a partir do Metrô de forma mais rápida, confortável e, principalmente, segura, já a partir de 17 de março, quando a nova linha, batizada de 605A/10 Centro Paralímpico-Metrô Jabaquara, começa a operar. 

A previsão é que uma média de 2.500 passageiros sejam transportados por dia útil. A nova linha, operada pela Mobibrasil, terá 3,9 km de extensão, que deverão ser percorridos em cerca de 15 minutos, e partidas com intervalos de 15 minutos.

Para o secretário municipal de Mobilidade e Transportes, Sérgio Avelleda, a iniciativa mostra o empenho da atual gestão em fazer de São Paulo uma cidade realmente inclusiva. “Acessibilidade total é uma prioridade dessa administração e a nova linha, além de simbolizar um incentivo a mais para nossos atletas, vem ampliar o leque já oferecido pela Secretaria de Mobilidade e Transportes, com frota de ônibus cada vez mais acessível, ampliação do serviço Atende+ e do táxi acessível, além de maior facilidade para obtenção do bilhete único especial.” 

O presidente da SPTrans, José Carlos Martinelli, ressalta a importância do investimento, que permitirá receber quatro cadeirantes de uma só vez em um único miniônibus do sistema. “É uma configuração inovadora e uma experiência que nos dá satisfação porque proporciona melhoria real na rotina de pessoas que precisam e vinham fazendo um esforço enorme para chegar ao CT Paralímpico”, avalia. 

O novo miniônibus não tem catraca e é equipado apenas com um validador de passagens. Os veículos da linha têm piso baixo e porta dianteira com acesso por meio de rampa. Há ainda suspensão pneumática com sistema de movimentação vertical, o que permite o rebaixamento do veículo para facilitar o embarque e desembarque dos passageiros.
“A nova linha de ônibus é um grande avanço para as pessoas com deficiência e para o sistema de transportes da cidade como um todo. Os veículos possuem piso baixo e configuração inovadora, com espaço para até quatro cadeirantes, fundamental para atender o fluxo de paratletas e visitantes do Centro de Treinamento Paralímpico”, avalia o titular da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência, Cid Torquato.

Outra novidade importante é a presença de um auxiliar dentro dos veículos. Este funcionário ficará responsável por ajudar na locomoção dos cadeirantes e receber o valor da tarifa de R$ 4,00, no caso de pagamentos em dinheiro.
Fabricados pela Marcopolo/Volare com carroceria modelo Access, os miniônibus têm 8,9 metros de comprimento, motor traseiro, ar-condicionado, tomadas USB para carregamento de equipamentos eletrônicos e capacidade total para 36 passageiros, incluindo os quatro cadeirantes.


Melhorar a vida dos cadeirantes

Atletas como Glebe Candido, de 39 anos de idade, por exemplo, serão diretamente beneficiados. Jogador de basquete do time Magic Hands e da Seleção Brasileira de Basquete em Cadeira de Rodas, ele frequenta o CT Paralímpico diariamente. Geralmente vai “cadeirando”, como ele diz, do metrô Jabaquara até o local. “Os atletas costumam se encontrar no metrô Jabaquara para irem juntos ao treino. Será ótimo poder fazer o trajeto até o CT Paralímpico de ônibus e, mais do que isso, embarcar quatro cadeirantes de uma só vez”, comemora.

Glebe viaja de ônibus regularmente e tem o Bilhete Único PCD (pessoa com deficiência), que garante a ele gratuidade no transporte público. Atualmente, treina para representar o Brasil no Campeonato Mundial de Basquete em Cadeira de Rodas, entre 16 e 25 de agosto em Hamburgo, na Alemanha.


Mais investimentos em acessibilidade 

Atualmente a frota do sistema de transporte coletivo conta com 14.355 veículos, sendo que 92,5% dos ônibus já são acessíveis. Com a nova licitação do sistema, 100% da frota terá obrigatoriamente itens de acessibilidade. 

A minuta do edital prevê ainda que a frota do Atende+, serviço para pessoas com deficiência motora severa, passe das atuais 438 para 500 vans. Com 1,2 milhão de viagens por ano e 1,2 milhão de quilômetros rodados por mês, o Atende+ tem hoje em sua base 9.337 passageiros, sendo 5.319 pessoas com deficiência e 4.018 acompanhantes.

“A SPTrans trabalha em várias frentes para garantir acessibilidade. Desde a ampliação da capacidade de atendimento do Atende+, até a incorporação de novos ônibus acessíveis na frota de ônibus, tudo é feito pensando também nesta população com necessidades especiais”, explica o diretor de Operações da companhia, Paulo Cézar Shingai. 

Na atual gestão, o atendimento a pessoas com deficiência também passou a ser feito por cerca de 100 táxis pretos, com motoristas treinados e veículos adaptados. Já a central telefônica do Atende+ foi reforçada com mais funcionários, e o horário de atendimento ao público foi ampliado, passando a ser feito sempre das 5h às 23h, inclusive nos fins de semana e feriados.

Serviço - Confira o itinerário da linha 605A/10 Centro Paralímpico – Metrô Jabaquara, a partir de 17 de março:

Ida: Centro Paralímpico, acesso e via marginal à Rodovia dos Imigrantes, acesso e rotatória, Viaduto Matheus Torloni, Rua Getúlio Vargas Filho, Rua Gen. Manuel Vargas, Pça. José Luz, Rua Gen. Manuel Vargas, Pça. Dácio Pires Correia, Rua dos Comerciários, Av. Eng. Armando de Arruda, Rua Nelson Fernandes e Estação do Metrô Jabaquara.

Volta: Rua dos Comerciários, Av. Eng. Armando de Arruda Pereira, Rua Nelson Fernandes, Rua Gen. Manuel Vargas, Pça, José Luz, Rua Gen. Manuel Vargas, Rua Getúlio Vargas Filho, Viaduto Matheus Torloni, acesso e via marginal à Rodovia dos Imigrantes, acesso e Centro Paralímpico.



Anterior Inicio