17/05/2015

Ler Braille: um conto em vários pontos



As páginas em Braille de um livro acomodam-se tão bem debaixo dos dedos, assim como as palavras vão esculpindo as histórias escritas em nossa memória. 

Ler Braille provoca uma sensação única e, ao mesmo tempo incomparável, que nos remete ao ato de enxergar. De certa forma aqueles relevos desenhados simetricamente no papel, formam as imagens que precisamos para enxergar o mundo. 

Como símbolo de cegueira, o Braille traz um certo distanciamento se comparado a escrita convencional. É fato que a tecnologia evoluiu ao ponto de oferecer aos cegos outras alternativas de leitura e de escrita mais próximas de quem enxerga.

Leitores de Braille tem se tornado raros, na mesma proporção em que os materiais produzidos neste código somem das prateleiras, das escolas, das universidades. Por outro lado as sinalizações pontográficas em estabelecimentos e alguns poucos produtos vem fortalecendo a visibilidade das pessoas cegas na sociedade.

Embora eu tenha sido alfabetizada em tinta, com fonte ampliada, o Braille representou meu instrumento de libertação intelectual aos doze anos de idade. Aos poucos a leitura dos textos didáticos foi sendo substituída pela literatura de entretenimento. 

No Brasil são apenas duas grandes imprensas as responsáveis pela pequena reprodução editorial, seguidos por outros pequenos núcleos de produção regional para uma demanda muito maior do que conseguem atingir. Por isso, cada nova obra que batia à minha porta, era recebida com euforia e gratidão.

Comemoro, com entusiasmo, a possibilidade de sentir as palavras e de tatear as histórias, embora a visita desses livros  tenha quase desaparecido. As obras disponíveis em Braille são doadas por instituições especializadas para pessoas com deficiência visual, que escolhem o que vão imprimir em relevo.

Entrar em uma livraria para adquirir um título em Braille sempre foi um sonho que persigo, apesar de saber que dificilmente o realizarei. Por isso a opção pela leitura digital, em computadores e dispositivos móveis passou a ser a alternativa mais viável para manter o gosto pelos livros nesses últimos anos.

Nessa semana troquei a tela dos dispositivos eletrônicos e a voz dos leitores de tela pela agradável sensação tátil de zigzaguear entre pontos salientes no papel. A cada página virada, uma emoção diferente, que ultrapassava as entrelinhas da história para ganhar um contorno de satisfação e vitalidade. Afinal ler Braille é renascer a cada instante. As letras ganham um movimento próprio, desenham as possibilidades de um mundo acessível, que cabe debaixo dos dedos e dentro do sonho de cada um.

Incentivar a leitura em Braille e investir na divulgação desse sistema para ampliar a produção editorial neste código é o caminho para que esses pontos salientes não escapem das nossas mãos nem da nossa memória. Sou grata por ainda cultivar a admiração pelo Braille e considerá-lo como meu companheiro para estudo e entretenimento. Assim os vários pontos são capazes de escrever um conto para  quem vê além da visão.

* Luciane Molina é pedagoga e pessoa com deficiência visual. Atua com educação inclusiva e formação de professores.

Proxima Anterior Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Seu Comentário é muito importante para nós.