29/03/2014

Brasil retorna ao cenário internacional no tênis em cadeira de rodas para tetraplégicos, no Para-Sulamericano do Chile

Tenista Dave Raposo rebate a bola durante a partida
Os Jogos Para-Sulamericanos de Santiago, no Chile, estão servindo como uma importante etapa para a difusão do tênis em cadeira de rodas no Brasil. Pela primeira vez desde 1999, o país conta com representantes da classe Quad em uma competição internacional. É o caso do brasiliense Dave Raposo, que completa 36 anos nesta sexta-feira, 28, e do catarinense Ymanitu Geon, 31.

Esta é a primeira edição da competição sul-americana multidisciplinar em âmbito paralímpico. Oito países, incluindo o Brasil, disputam sete modalidades até o domingo, 30: atletismo, basquete em cadeira de rodas, bocha, halterofilismo, natação, tênis de mesa e tênis em cadeira de rodas. A delegação verde-amarela conta com 81 atletas.

Quad é a classe do tênis em cadeira rodas voltada para atletas com deficiência em três ou quatro membros, majoritariamente praticada pelos tetraplégicos – daí a origem do nome Quad, da expressão em inglês quadriplegic (tetraplégico). Nas Américas, apenas Canadá e Estados Unidos possuem atletas competindo com frequência no circuito internacional. Por este motivo, o Quad não faz parte do programa dos Jogos Parapan-Americanos. Mas estará nos Jogos Paralímpicos do Rio-2016.

No Para-Sulamericano de Santiago, sete tenistas disputam a medalha de ouro, dos quais, dois são brasileiros. Dave e Ymanitu correspondem a 50% dos atletas do país classificados para disputar torneios de Quad, e, por isso, estão no Chile. A última vez que um brasileiro disputou uma competição internacional nesta classe foi no Mundial de 1999, nos Estados Unidos.

“O Brasil possui uma boa quantidade de tetraplégicos competindo no tênis de mesa, natação, bocha e rúgbi em cadeira de rodas. A ideia é que a classe dos Quad possa crescer no país também, e isso passa por nossa participação aqui no Para-Sulamericano de Santiago”, contou Wanderson Cavalcante, coordenador do tênis em cadeira de rodas na Confederação Brasileira de Tênis (CBT).

“É importante representar o Brasil neste Sul-Americano para estimular outros tetraplégicos a iniciar no esporte e se dedicar, como estou fazendo. Agradeço ao Wanderson pela oportunidade de representar meu país e adquirir ainda mais conhecimento para continuar competindo”, comentou Dave, que ficou tetraplégico após chocar-se com um ônibus enquanto treinava ciclismo em uma das pistas mais movimentadas de Taguatinga, no Distrito Federal.

Dave estreou na manhã desta quinta-feira, 27, contra o peruano Martin Ordoñez e perdeu por 2 sets a 0. Nesta sexta-feira, 28, será a vez de Ymanitu jogar. Ele enfrenta o equatoriano Edison Molina, de manhã.

O tênis de cadeira de rodas brasileiro conta com mais quatro atletas nos Jogos Para-Sulamericanos: Carlos Jordan dos Santos, Natalia Mayara, Rejane Cândida e Daniel Rodrigues, que venceu na estreia da chave de simples o peruano Joel Myhua, por 2 a 0.

Assessoria de Imprensa do Comitê Paralímpico Brasileiro em Santiago, Chile
Daniel Brito (daniel.brito@cpb.org.br / Rádio no Chile: 88*111940)
Rafael Moura (rafael.moura@cpb.org.br / Rádio no Chile: 88*144490)



Fonte:
Fotos: www.fotocom.net
Hotsite: http://www.cpb.org.br/jogos-para-sulamericanos/
Vídeos: www.youtube.com/cpboficial
Proxima Anterior Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Seu Comentário é muito importante para nós.