Gerenciamento da dor

Compartilhe »»

A Dra. Jasmine Hearn é uma psicóloga e palestrante especializada em manejo da dor para pessoas com lesão na medula espinhal. Ela compartilha suas opiniões e experiências conosco.


Qual a porcentagem de pessoas com lesão medular que experimentam dor neuropática e o que sabemos sobre ela?

Os estudos variam em um número exato, mas cerca de 50% das pessoas com uma lesão na medula espinhal experimentam dor neuropática.

As pessoas descrevem essa dor como aguda e súbita, como uma sensação de queimação ou elétrica, ou até mesmo como alfinetes e agulhas. Como parte de uma série de entrevistas que organizei durante minha pesquisa de doutorado, uma pessoa descreveu-a como se estivesse sentada em um poço de fogo, enquanto outra dizia que parecia que alguém estava derramando uma chaleira de água fervente sobre as pernas.

A dor neuropática é causada por danos na medula espinhal. O cérebro envia mensagens para as pernas e pés, mas não recebe uma resposta adequada, pois os caminhos estão danificados. Algumas mensagens podem passar, mas o cérebro as interpreta como dor. Isso não quer dizer que a dor experimentada não é real. É absolutamente real. É só que o cérebro está interpretando mal os sinais.

Quais fatores diferentes afetam a percepção das pessoas sobre a dor?

Qualidade de vida, saúde mental, apoio social, atividade física e onde nossa atenção está focalizada (como quando estamos envolvidos em um livro ou assistindo TV) – tudo isso pode influenciar a percepção de dor de alguém.

Ser capaz de continuar com sua vida e se envolver em atividades significativas é muito importante. Se você não puder voltar ao trabalho, por exemplo, poderá ter menos oportunidades de socializar e sentir que não tem um senso de propósito. Esses fatores podem influenciar sua experiência de dor. É por isso que é realmente importante encontrar atividades gratificantes nas quais você possa concentrar sua atenção.

Geralmente, as pessoas que têm uma boa rede de apoio, uma vida ativa e uma perspectiva positiva, são mais propensas a aceitar a existência de dor e a encontrar maneiras de administrá-la.

Naturalmente, não podemos dizer com certeza que ter uma visão positiva significa que você não sentirá uma dor severa, ou que uma perspectiva menos positiva significa que você terá níveis mais elevados de desconforto.

A experiência de todos é única e é isso que torna um desafio para a pesquisa. A dor é muito complexa e estamos apenas começando a entender melhor como isso afeta as pessoas.

Que diferentes tratamentos e métodos as pessoas podem usar para controlar sua dor?

A medicação parece ser a primeira linha de tratamento. Isso funciona para algumas pessoas, mas esses tratamentos podem vir com efeitos colaterais desagradáveis, como sonolência ou náusea. Pesquisas mostram que a aceitação de viver com a dor pode fazer uma grande diferença. As pessoas muitas vezes procuram alívio completo da dor, mas vendo que a dor faz parte da vida diária – não é algo que pode ser apagado – elas muitas vezes se tornam mais resistentes.

Usar uma abordagem de terapia cognitivo-comportamental (TCC) para melhorar seu humor e alterar suas respostas à dor pode ajudar a aliviar alguns dos efeitos.

A atenção plena também pode ser usada para o controle da dor. Em um estudo que realizei, mais de 20 participantes com uma lesão na medula espinhal ouviram duas meditações de dez minutos, seis dias por semana, durante um período de dois meses. As meditações não se concentravam primariamente na dor, mas em aumentar a consciência do momento presente. A maioria dos participantes sentiu que a dor ainda era intensa depois, mas os efeitos eram menos desagradáveis. Eles também se sentiram mais aptos a administrar sua dor a longo prazo.

Não existe uma solução única para todos e, no entanto, você só precisa experimentar abordagens diferentes para ver o que funciona para você.Uma maneira de descobrir o que funciona para você é registrar os fatores que reduzem e exacerbam sua dor. Com o tempo, você pode rever o que você gravou e começar a fazer alterações para acomodar sua dor.

Como as pessoas conseguem administrar suas expectativas sobre viver com dor a longo prazo?

É importante reconhecer que haverá dias bons e ruins. A dor provavelmente também faz parte da vida diária. Passar por esse processo de tentativa e erro para identificar o que ajuda a gerenciar sua dor é realmente útil. É importante passar por esse processo com seu consultor principal para que ele possa entender melhor como a dor afeta você. E quanto mais você puder fazer para controlar sua dor, mais fácil será aceitar a longo prazo.

Como as pessoas com lesão medular podem explicar a dor a seus amigos, familiares e profissionais de saúde?

Como alguém que não tem uma lesão na medula espinhal, muitas pessoas têm um tempo complicado explicando sua dor para mim. Mas o uso de descritores físicos, como sensações de queimadura ou elétricas, por exemplo, pode provocar empatia e compreensão no ouvinte. As pessoas me disseram que a dor delas é como raios, alfinetes e agulhas intensas e como dor de dente constante. Eu posso relacionar essas descrições com minhas próprias experiências e imaginar como seria a dor delas. Não sabemos qual efeito esses descritores podem ter sobre a intensidade da dor, mas certamente ajuda a usar essas descrições lúcidas para dar às pessoas uma percepção real de como é a dor delas.

Um processo importante no gerenciamento da dor é ajudar os outros, como seus amigos, familiares e médicos de família, a entender o que você está vivenciando para que eles possam apoiá-lo melhor. Isso, por sua vez, pode ajudar a melhorar sua capacidade de lidar com a dor.

Se você gostaria de falar com alguém sobre suas experiências de dor, por favor entre em contato.

Fonte: /www.backuptrust.org.uk/ e Ser Lesado

Nenhum comentário

Seu Comentário é muito importante para nós.

Tecnologia do Blogger.