Escolas distribuirão livros em braille da ‘Turma da Mônica’

Compartilhe »»

Publicação apresenta realidade das pessoas com deficiência visual por meio da personagem cega Dorinha

Livro da Turma da Mônica escrito em braille

Dorinha é um dos personagens criados por Mauricio de Sousa que promovem inclusão e representatividade. A menina cega que reconhece seus amigos pela voz e pelo cheiro é a protagonista do novo livro Como Dorinha Vê o Mundo, que será distribuído gratuitamente para 500 escolas municipais de São Paulo.

O material foi desenvolvido por meio da parceria entre o Instituto Mauricio de Sousa e a Fundação Dorina Nowill para Cegos, e contaram com as personagens Dorinha e Mônica estiveram na instituição para apresentar a publicação e fazer a distribuição nesta sexta-feira, 3.

A obra faz parte da Série Dorina e apresenta a realidade das pessoas com deficiência visual, o sistema braile e outros instrumentos que possibilitam a democratização da cultura e da brincadeira. Além de a história e os desenhos serem em braille, a história também é escrita no alfabeto português. Assim, quem tem baixa visão ou enxerga também poderá aproveitar.

Dorinha foi inspirada em Dorina de Gouvêa Nowill, fundadora da organização que ficou cega repentinamente, aos 17 anos, em consequência de uma doença não diagnosticada. Este ano, completam-se cem anos do nascimento dela.

Personagens da ‘Turma da Mônica’ que promovem a inclusão

André – Menino autista, é mais introspectivo, não aponta para coisas interessantes nem tem muitas habilidades sociais. Mas isso não importa, porque a turma acolhe o menino nas brincadeiras.

Dorinha – Uma das mais novas integrantes da turma, é cega, reconhece seus amigos pela voz, pelo cheiro e está completamente enturmada. Antenada na moda, está sempre com roupas fashion, corte de cabelo moderno e óculos escuros. Além disso, segura numa mão sua bengalinha e, na outra, a coleira de Radar, um labrador que a ajuda a se guiar.

Humberto
Humberto – tem deficiência auditiva e não fala, apenas murmura “hum-hum”. Uns acham que ele é mudinho. Outros, que economiza a voz. Mas, enquanto isso, o menino vai aprontando suas confusões.

Luca

Luca – O menino é paraplégico e, por isso, se locomove em uma cadeira de rodas. É amante dos esportes, principalmente de basquete, e está sempre disposto a brincar e aprontar com a Mônica ao lado de Cebolinha e Cascão. Porém, em certos momentos, ele encontra dificuldades, como, por exemplo, calçadas esburacadas, falta de rampas em prédios ou casas e veículos coletivos sem condições de receber alguém que utilize uma cadeira de rodas.
Tati

Tati – Tem síndrome de Down e possui características físicas associadas à síndrome, como os olhos amendoados e é um pouco menor que as crianças da sua idade. Ela ama seus amiguinhos (“fofos”, como ela costuma chamar) e faz qualquer coisa para vê-los felizes. Curiosidade: Tati também é uma homenagem a Tathi Heiderich, filha de Patrícia e Fernando Heiderich, coordenadores do Instituto MetaSocial, que trabalha há mais de 19 anos desenvolvendo ações, junto à mídia, para promover a inclusão social.

Personagens inclusivos

Recentemente, a Turma da Mônica ganhou um novo amigo: o Edu, menino de nove anos que tem distrofia muscular de Duchenne. A primeira revista foi lançada em março e faz parte do projeto editorial Cada Passo Importa, uma parceria entre a Sarepta, empresa de medicamentos genéticos para doenças neuromusculares raras, e o estúdio de Mauricio de Sousa.

Outros personagens inclusivos que integram a turma são uma pessoa com deficiência auditiva, um cadeirante, uma menina com síndrome de Down e um menino autista. Para Mauricio de Sousa, criar esses personagens é natural, mas ele admite que “atrasou um pouquinho porque estava meio distraído”.

“Aí me lembrei que, na minha infância, eu tinha uma porção de amiguinhos com algum tipo de deficiência, então eu não estava sendo fiel à realidade da vida, comigo, com meu estúdio, com minha criação. Então, eu comecei a pesquisar as diversas síndromes para que a gente pudesse criar coisas que fossem coerentes com a realidade que não trouxesse nenhum tipo de preconceito – porque às vezes a gente não percebe que está sendo contaminado”, disse o cartunista ao E+.






Fonte: Portal Terra

Nenhum comentário

Seu Comentário é muito importante para nós.

Tecnologia do Blogger.