16/05/2014

Exposição em Porto Alegre dá destaque para personagens com algum tipo de deficiência

Contos de fadas inclusivos abordam diversidade sem tabus para o público infantil.

Ajudar a construir um mundo onde a diversidade é apenas diferença e não motivo para preconceito – é o que se espera dos educadores. Para auxiliá-los nesse processo, o fisioterapeuta Cristiano Refosco, 36 anos, reescreveu clássicas histórias infantis trocando os protagonistas por personagens com algum tipo de deficiência. A coleção Era uma Vez um Conto de Fadas Inclusivo, de 2012, já tem 11 volumes, com títulos como A Branca Cega de Neve, Cinderela sem Pé e A Bela Amolecida.

O projeto agora virou uma exposição no Pátio Ivo Rizzo, no bairro Moinhos de Vento, em Porto Alegre, e o sonho do autor de tornar o diferente algo natural tem se espalhado por escolas tradicionais.

Foi com criatividade que os alunos de cinco e seis anos da Escolinha Caracol, do bairro Bela Vista, imaginaram soluções para um João sem braço que tinha a árdua missão de escalar o pé de feijão. Antes de começar a narração, a professora Adriana Verardi, 46 anos, a Drica, pediu à turma de 20 crianças sentadas em círculo para juntarem as mãos atrás do corpo.

– Vamos ver como o João se sentia sem os braços? – propôs.

Dois minutos depois, a loirinha de óculos cor-de-rosa quis saber:

– Ai, profe, dá para se coçar?

– Pode – respondeu Drica – mas antes vamos ver como o João faria se tivesse coceira? E para subir no pé de feijão? Como ele fazia?

– De cabeça para baixo – arriscou o colega de blusa azul marinho, puxando um coro de soluções.

Abanar com o pé, desenhar com a boca e escalar o pé de feijão a mordidas foram algumas das sugestões para essa reinvenção de uma história tão conhecida. João sem Braço e o Pé de Feijão é o oitavo exemplar da coleção trabalhado por Adriana com o Jardim B. Ela confessou que, quando a escola veio com a proposta de inserir os títulos em aula, foi tomada por um frio na barriga. “Será que eu vou ter todas as respostas para as dúvidas deles?”, “ Como eles vão reagir?”, temeu. Mas se surpreendeu com a reação dos alunos:

– Como é lúdico, eles sempre apresentaram soluções óbvias e simples para lidar com o diferente. Surpreende a facilidade que eles têm para comentar o assunto. A gente vê que o preconceito está muito mais na cabeça do adulto do que na da criança.

Após a leitura, veio a proposta de uma dinâmica de grupo.

– E se vocês tivessem um coleguinha que não enxergasse, como seria? – indagou Drica.

– A gente ia dar a mão para ele – disse uma guria de maria chiquinha, convidada a encenar com outro colega de olhos cerrados.

– E se ele não escutar? – continuou a professora.

– Aí, a gente faz mímica – simplificou o colega.

E entre um desenrolar e outro de soluções simples, a professora lembrou da aula anterior, quando uma menina ruiva definiu o que fariam se um colega com deficiência fosse matriculado na turma.

– A gente ia seguir ele. E não ele seguir a gente.

Fisioterapeuta dedicado há 14 anos ao tratamento de crianças com deficiência, o santa-mariense Cristiano Refosco sempre teve os contos de fada como aliados para amenizar o sofrimento dos pacientes durante os exercícios:

– Alguns alongamentos são mais doloridos, e contar histórias foi um jeito de distrair as crianças. Juntei minha convivência com elas ao gosto de escrever desde muito cedo para estrear na literatura.

O primeiro título nasceu durante uma corrida no Parcão. O fisioterapeuta visualizou a imagem da chapeuzinho vermelho em uma cadeira de rodas e foi construindo as narrativas.

– Sabia que poderia aproximar as pessoas, pois quando estava atendendo meus pacientes, observava que os irmãos ou primos que iam junto pegavam a cadeira de rodas ou as muletas, que em tese as pessoas querem ver bem longe, e brincavam com elas – lembra.

O autor dá palestras em escolas sobre o tema e confecciona mais sete histórias, ainda sem prazo para lançamento. Emociona-se quando as crianças fazem conexões da vida real com as tramas:

– Acho legal quando se começa a perceber a deficiência do outro e tratar como algo normal. As crianças são boas nisso. Tem gente que não gosta, acha os títulos dos livros muito diretos, mas sei que é assim que eles preferem ser identificados. Nenhum deles reclamou.

Mas como se estabelece o preconceito se, quando criança, lida-se bem com as diferenças? José Leon Crochík, coordenador do Laboratório de Estudos sobre o Preconceito da Universidade de São Paulo (USP), valoriza iniciativas que buscam abordar de forma natural tudo aquilo que, costumeiramente, é alvo de estranheza:

– O que deveria ser estranho é nosso comportamento preconceituoso e não sua ausência nas crianças, pois, de fato, se formos educados desde cedo a perceber as diferenças como algo pertencente à vida, sem nenhum comentário adicional, não teríamos por que esperar dos futuros adultos um comportamento muito distinto.

Proxima Anterior Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Seu Comentário é muito importante para nós.