17/09/2012

Tipos de barreiras

    De acordo com a NBR 9050/2004, "acessibilidade" é definido como a possibilidade e condição de alcance, percepção e entendimento para a utilização com segurança e autonomia de edificações, espaço, mobiliário, equipamento urbano e elementos. E conceitua que, para ser "acessível", o espaço, edificação, mobiliário, equipamento urbano ou elemento tem que permitir o alcance, acionamento, uso e vivência por qualquer pessoa, inclusive por aquelas com mobilidade reduzida. O termo "acessível" implica tanto acessibilidade física como de comunicação.
    Ainda conforme as definições da norma técnica, temos as barreiras arquitetônica, urbanística ou ambiental, que são qualquer elemento natural, instalado ou edificado que impeça a aproximação, transferência ou circulação no espaço, mobiliário ou equipamento urbano.
    Pensando nestes conceitos, vamos nos aprofundar nas definições de "barreira" utilizando como referência o livro: Desenho Universal –Caminhos da Acessibilidade no Brasil.
    O ambiente sócio-físico é o principal gerador das dificuldades que se impõem à livre circulação de indivíduos ou grupos. Tais empecilhos podem ser: físicos, comunicacionais, sociais e/ou atitudinais.

Barreira Física ou Arquitetônica: Obstáculos para o uso adequado do meio, geralmente originados pela morfologia de edifícios ou áreas urbanas.
    A foto acima registra uma escada não associada a rampa ou algum equipamento eletromecânico. Esta barreira arquitetônica impede que o cadeirante tenha acesso ao piso superior do estabelecimento.
    Também podemos citar como exemplo calçadas com degraus (dificultando a circulação de pedestres), portas estreitas, rampas com inclinação exagerada, dentre tantos outros que infelizmente ainda encontramos em nossas cidades.
Barreira Comunicacional: Dificuldade gerada pela falta de informações a respeito do local, em função dos sistemas de comunicação disponíveis (ou não) em seu entorno, quer sejam visuais (inclusive em braille), lumínicos e/ou auditivos.
   Esta foto mostra o corredor de um shopping com uma placa suspensa contendo informações apenas visuais (ressaltando que este local não possui mapa tátil). Além disso, a placa possui baixo contraste, onde os símbolos e textos são de cor branca pintados sobre um fundo imitando madeira clara. Assim, a legibilidade fica prejudicada.
    Também são barreiras comunicacionais a falta de sinalização urbana, deficiência nas sinalizações internas dos edifícios, ausência de legendas e audiodescrição na TV, falta de intépretes de Libras, entre outras.
 
Barreira Social: Relativa aos processos de inclusão/exclusão social de grupos ou categorias de pessoas, especialmente no que se refere às chamadas "minorias", como grupos étnicos, homossexuais, pessoas com deficiência e outros.
 
 
 
Barreira Atitudinal: Gerada pelas atitudes e comportamento dos indivíduos, impedindo o acesso de outras pessoas a algum local, quer isso aconteça de modo intencional ou não. Esta imagem demonstra uma barreira atitudinal, infelizmente muito comum. São carros estacionados na calçada que, além de impedirem a passagem dos pedestres, estão bloqueando o piso tátil direcional.
 
Outras barreiras atitudinais: uso indevido de vagas reservadas para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, obstrução de rebaixamentos de guia, os diversos tipos de preconceito, desrespeito com os idosos e vários outros exemplos.
Referência: ELALI, A. G.; de ARAÚJO, G. R.; PINHEIRO, Q. J. Acessibilidade Psicológica: Eliminar barreiras "físicas" não é o suficiente. In: PRADO, de A. R. A.; LOPES, E. M.; ORNSTEIN, W. S. (Orgs.). Desenho Universal: Caminhos da Acessibilidade no Brasil. São Paulo: Annablume Editora, 2010. p. 117- 127.
Proxima Anterior Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Seu Comentário é muito importante para nós.