Estudo que devolveu movimento a ratos tetraplégicos é esperança para pacientes com lesão medular

Compartilhe

Em quase duas décadas, foram mais de 70 mil quilômetros e quatro países percorridos por Camila Magalhães, de 32 anos, em busca de tratamentos para a lesão medular que a deixou presa a uma cadeira de rodas. Hoje, a esperança de progresso no quadro está bem perto, a pouco mais de sete quilômetros de sua casa em Vila Isabel, Zona Norte do Rio. Pesquisadores do Laboratório de Biologia da Matriz Extracelular (LBMEC) da UFRJ, na Ilha do Fundão, estudam um novo tratamento para lesões medulares que já apresentou excelentes resultados em animais.

A técnica consiste na aplicação da polilaminina – medicamento biológico produzido a partir de uma proteína presente no corpo, a laminina – na medula do paciente que sofreu a lesão. Por ora, os estudos são focados em pessoas com lesões agudas, ou seja, recentes. Mas a expectativa é que, num segundo momento, dependendo do resultado, pacientes com lesões crônicas (antigas), como é o caso de Camila, também possam ser submetidos ao estudo.

Os resultados com ratos animaram os pesquisadores: todos os animais com lesões leves conseguiram ter de volta 100% dos movimentos. Já os com lesões graves tiveram recuperados 50% dos seus movimentos.

Em setembro, o trágico incidente com Camila fará 20 anos. Ela foi baleada no pescoço quando passava pelo Boulevard 28 de Setembro. A bala se alojou na coluna, e a jovem ficou tetraplégica (com paralisia em todos os membros). Após diversos tratamentos e fisioterapia, ela retomou alguns movimentos e hoje está paraplégica (com paralisia só nos membros inferiores).

A expectativa com o novo tratamento é grande. Há mais de dez anos, Camila acompanha os pesquisadores da UFRJ que estudam os possíveis benefícios da polilaminina. Para ela, o estudo representa mais uma “gotinha de ânimo”.

— Vejo a dedicação deles. Todo mundo torce muito para que dê certo. A cura da lesão medular não existe até hoje. Acho que essa é mais uma frente, mais uma oportunidade. Pode ser de uma cura ou mesmo de grande melhoria na qualidade de vida. Qualquer ganho vai ser válido — anima-se.

‘Melhora surpreendente’

A pesquisa da UFRJ encontra um grande obstáculo: a falta de candidatos para participar do estudo. Hoje, há apenas um paciente sendo acompanhado. Os pesquisadores afirmam que estão tendo dificuldades para captar pacientes, apesar do apoio de duas unidades de saúde, o Hospital municipal Souza Aguiar, no Centro do Rio, e o Hospital estadual Azevedo Lima, em Niterói.

— Não sabemos ao certo o motivo, mas há essa dificuldade. E precisamos desses pacientes para que o estudo evolua — explica a professora Tatiana Sampaio, chefe do laboratório da UFRJ.

Nesse primeiro estudo, os pacientes agudos só podem receber a injeção de polilaminina na medula até 72 horas após a lesão. Nesse período, os parentes do paciente voluntário podem fazer contato com os pesquisadores pelo telefone do laboratório (21 39386488) ou pelo site (www.polilaminina.com.br).

— Esta é a primeira fase. Estamos testando segurança e eficácia. Não podemos testar em pacientes crônicos antes de fazer esse primeiro teste. A ideia é fazer um teste-piloto. Por isso queremos fazer essa fase o mais rápido possível. A melhora do primeiro paciente é surpreendente — diz Tatiana.

– Ver uma equipe empenhada num tratamento que pode melhorar ou até curar uma pessoa na cadeira de rodas é muito motivador para a gente que é paciente. Dá mais esperanças, mais ânimo. Fico muito agradecida por conhecer pessoas tão boas. É uma pesquisa séria, que já conheço há muito tempo. É mais uma gotinha de ânimo. É importante não desanimar. São quase 20 anos de cadeira de rodas. Não posso parar para não regredir, por isso estou sempre correndo atrás de coisas que possam melhorar minha qualidade de vida. Não me acomodo – afirma Camila.



Fonte: Ser Lesado

Compartilhe

Um comentário:

  1. É importante que os pesquisadores tenham o apoio das pessoas diretamente interessadas nos resultados. Que haja divulgação dessa pesquisa e manifestações de apoio aos pesquisadores, com divulgação de vídeos, panfletos etc. Cada pesquisador deveria ter uma conta bancária pessoal para receber doações de interessados. Senão vai ficar tudo pelo caminho, igual a fosfoamina da USP.

    ResponderExcluir

Seu Comentário é muito importante para nós.

Cursos e Eventos

Vídeos no Youtube

Unawheel - Entrega e primeiro passeio

Unawheel - Entrega e primeiro passeio
Unawheel - Entrega e primeiro passeio

Imagem 1

Imagem 1
20 anos na cadeira de rodas

Imagem 2

Imagem 2
Tetra Dirigindo? Como consegui tirar a CNH

Lives da Fê no Insta

Live sobre Pessoas com deficiência: Exemplo de superação? Ou não?

Live sobre Pessoas com deficiência: Exemplo de superação? Ou não?
Converso com a Váleria Schmidt @schmidt sobre Pessoa com deficiência: Exemplo de superação? Ou não?

Live com Roberto Denardo

Live com Roberto Denardo
A pessoa com deficiência na vida pública 06/10/2020

Live com a Ruth Maria

Live com a Ruth Maria
Os desafios e aprendizados da vida na cadeira de rodas.