Alunos e professores da UFPR criam histórias em quadrinhos em Libras

Compartilhe

(Crédito: Addyson Campos/Editora Letraria)

Professores e alunos da Universidade Federal do Paraná (UFPR) publicam gratuitamente HQs em português e em Libras. O projeto Histórias em quadrinhos sinalizadas começou em 2018 e conta com três HQs disponíveis para download.

A mais recente foi divulgada este mês e trata das Surdolimpíadas, evento esportivo internacional organizado pelo Comitê Internacional de Esportes para Surdos. Assim como as Olimpíadas, ocorre a cada quatro anos.

O projeto, de autoria da professora Kelly Lóddo, 37 anos, analisa e produz histórias em quadrinhos voltadas para o ensino de surdos. Além de Kelly, o professor Clovis Batista de Souza, 40, que é surdo, orienta os alunos.

O projeto inicialmente era voltado a gêneros textuais e o ensino para surdos, mas a procura por produção e análise de quadrinhos foi alta e a professora Kelly decidiu focar a produção de tiras.

A escolha do gênero história em quadrinhos foi “em razão desse formato ser visual e ter conexão com a língua de sinais”, de acordo com o professor Clovis Batista de Souza.

Para cada HQ, o grupo decide o tema com base em pesquisas. A segunda fase é a organização de glossários e sinalários para que sejam divulgados os sinais específicos do assunto.

Posteriormente, tudo é estruturado a partir da perspectiva bilíngue de surdos (Libras e língua portuguesa escrita).

Conforme esclarece Clóvis, depois que o material é editado, especialistas em diferentes áreas são convidados para constituir uma equipe multidisciplinar e assegurar o conteúdo e a acessibilidade linguística.

A edição mais recente das HQs sinalizadas foi publicada em 4 de novembro: a história em quadrinhos Surdolimpíadas – encontros linguísticos é de autoria do estudante de educação física Addyson Celestino da Silva Campos, 27.

Addyson afirma que se interessou pela iniciativa durante as aulas de Libras, obrigatórias na grade curricular no curso de educação física. “Sei desenhar e gostei muito da ideia de unir inclusão, desenho e Libras.”

Para o estudante, o grande objetivo dos quadrinhos é levar conhecimento de forma ampla a todos, não só de maneira escrita, mas também visual.

A representatividade é importante

A edição pioneira de HQ com Libras na UFPR surgiu no projeto de iniciação científica (Pibic) do aluno de letras-Libras Luiz Gustavo Paulino de Almeida, orientado por Kelly.

O trabalho foi publicado em 2018, na primeira semana de letras-Libras da universidade e a temática abordada foi o Congresso Internacional de Educação dos Surdos, realizado em Milão (Itália), em 1880.

O evento italiano discutiu os rumos da educação das pessoas surdas. O resultado foi a instituição de oito resoluções que asseguraram a hegemonia da linguagem oral e colocaram de lado as línguas de sinais.

Somente um século depois, as resoluções passaram a ser questionadas e novas propostas de educação de pessoas surdas surgiram. Em julho de 2010, no 21º Congresso Internacional de Educação de Surdos, realizado em Vancouver, as oito resoluções do Congresso de Milão foram reprovadas formalmente.

“Foram 100 anos em opressão linguística e social, surdos foram proibidos mundialmente de usar as línguas de sinais”, afirmou Kelly.

A segunda edição de HQ em Libras da UFPR foi A mulher surda na Segunda Guerra Mundial, produzida pelo ex-aluno de letras-Libras Germano Weniger Spelling, 40. A obra ganhou grande visibilidade ao ser indicada ao prêmio Troféu HQMIX, considerado o Oscar dos quadrinhos no Brasil, na categoria “produção para outras linguagens”.

O autor diz que se interessou pela iniciativa ao ver a primeira edição. “Histórias em quadrinhos são coloridas e visuais, pensei que conseguiria fazer uma, e consegui!”, comemora Germano.

Ele ressalta a importância dos quadrinhos para a representatividade da comunidade surda. “Eu, surdo e judeu, ter sido indicado ao Oscar brasileiro dos quadrinhos é um exemplo muito importante para a comunidade surda e para meus alunos surdos”, diz.

Ilustradores são voluntários

Segundo a professora Kelly, a maior dificuldade para a produção de mais HQs é a falta de recursos para pagar ilustradores. “Até o momento, tivemos o privilégio de ter o Addyson e o Luiz Gustavo como ilustradores e que pertencem a comunidade surda”, comenta.

Para compor outras ilustrações, é preciso contar com a colaboração voluntária de profissionais de dentro ou de fora da UFPR.

Para o estudante Addyson, outro desafio é a distância entre os trabalhos realizados e o público que não entende Libras. “Muitas vezes, as informações ficam somente no meio da comunidade surda e de pessoas que sinalizam. Existe um desinteresse grande por parte dos ouvintes”, constata.

O professor Clovis destaca que as HQs são importantes também para que pessoas ouvintes descubram os processos culturais e conhecimentos produzidos pela comunidade surda.

Fique por dentro dos próximos passos

A próxima edição da HQ em Libras abordará a temática das línguas de sinais indígenas no Brasil, em especial a língua de sinais terena. A intenção é “assegurar as línguas de sinais como patrimônio histórico cultural da humanidade e fortalecer o reconhecimento e a preservação dessas línguas por meio da criação de HQs sinalizadas.”

Segundo Kelly, o trabalho deve priorizar a documentação da cultura e da identidade por meio de ilustrações e glossário das línguas, além de fazer com que os surdos se sintam representados e sejam protagonistas das narrativas.

Germano espera que as histórias possam servir de exemplo para crianças e adultos surdos e torce para que mais edições sejam publicadas.

Kelly, coordenadora do projeto, conta que a iniciativa está cadastrada para mais cinco anos de duração.

Quer ler?

Todas as HQs estão disponíveis gratuitamente para download no site da Editora Letraria

Fonte: Correio Braziliense – Por Isabella Almeida, Estagiária sob supervisão da editora Ana Sá.

Compartilhe

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu Comentário é muito importante para nós.

Cursos e Eventos

Vídeos no Youtube

Unawheel - Entrega e primeiro passeio

Unawheel - Entrega e primeiro passeio
Unawheel - Entrega e primeiro passeio

Imagem 1

Imagem 1
20 anos na cadeira de rodas

Imagem 2

Imagem 2
Tetra Dirigindo? Como consegui tirar a CNH

Lives da Fê no Insta

Live sobre Pessoas com deficiência: Exemplo de superação? Ou não?

Live sobre Pessoas com deficiência: Exemplo de superação? Ou não?
Converso com a Váleria Schmidt @schmidt sobre Pessoa com deficiência: Exemplo de superação? Ou não?

Live com Roberto Denardo

Live com Roberto Denardo
A pessoa com deficiência na vida pública 06/10/2020

Live com a Ruth Maria

Live com a Ruth Maria
Os desafios e aprendizados da vida na cadeira de rodas.