Após AVC, mãe acolhe centenas de crianças com necessidades especiais

Compartilhe

 

É difícil entender como Maria das Dores conseguiu superar tantos problemas na vida e ainda ter forças para ajudar e acolher mães e crianças com algum tipo de deficiência, como aconteceu com ela.

Antes de completar 30 anos, ela teve um AVC, perdeu a memória, ficou paraplégica, teve uma filha com necessidades especiais e conseguiu forças para criar uma associação que ajuda outras mães e crianças de Roraima.

“O Anjos de Luz é tudo na minha vida. Quando você recebe a notícia de que seu filho tem uma deficiência, é difícil aceitar. Então, se vejo uma mãe correr atrás do tratamento, dando dignidade ao filho para reivindicar seus direitos, eu me sinto realizada”, disse Maria das Dores.

Iara e Eduardo, Caçadores de Bons Exemplos – parceiros do SóNotíciaBoa – conheceram de perto o trabalho que Maria das Dores faz e contaram: “é um lugar feito por uma mãe valente e corajosa, apoiada por médicas e assistentes sociais que acolhem, amparam e cuidam de outras tantas mães que sofrem sozinhas o peso de lutar pelas suas vidas e pela dignidade dos seus filhos”.

A casa de apoio, que começou na casa de Maria das Dores, cresceu e se tornou um lugar por onde passam de 30 a 40 pessoas por dia.

Lá, elas contam com comida, transporte, abrigo, tratamento, próteses e orientação.

História de resistência

Prestes a completar 30 anos, Maria das Dores teve um AVC.

Ela ficou mais de quatro meses internada, perdeu a memória, ficou paraplégica, mas não desistiu de viver.

Casada e mãe de três filhos, ela voltou pra casa, retomou a rotina – na medida do possível – e reaprendeu a viver e a sonhar.

Contrariando prognósticos médicos, Maria das Dores conseguiu engravidar mais uma vez. Mas, por ser gravidez de risco, foi aconselhada pelos médicos a abortar.

Ela não aceitou e fugiu do hospital para ter o bebê, que nasceu prematuro.

Começava ali uma nova fase na vida dela: ser mãe de uma criança com hidrocefalia.

“Ester chegou para reafirmar tudo que a mãe sempre viveu, para lembrar que o amor é capaz de nos levar longe e de nos dar coragem de lutar com muito mais força do que imaginamos ter”, contaram os Caçadores de Bons Exemplos.

A ideia

No corredor de um hospital, enquanto levava a filha para consultas, Maria das Dores viu uma outra criança, também com necessidades especiais, passando mal, usando sonda.

Ainda de muletas, Maria correu pelos corredores, gritou por ajuda e enquanto via o descaso de uns e a preocupação de outros, percebeu que era hora de fazer mais por aquelas mães e crianças.

Naquele dia, nascia a Associação Anjos de Luz – Associação Grupo de Mães Anjos de Luz (AGMAL) – que completou 11 anos e hoje ajuda mais de 5 mil crianças com algum tipo de deficiência em Roraima.

“Com tudo que eu passei na minha vida, entendi que a solidariedade é o amor em movimento!”, concluiu Maria das Dores.

Para ajudar e conhecer mais o trabalho da associação, ligue para  095-99122-4796.

Por Rinaldo de Oliveira, da redação do SóNotíciaBoa – com Caçadores de Bons Exemplos

Fonte: Só Notícia Boa

Compartilhe

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu Comentário é muito importante para nós.

Cursos e Eventos

Vídeos no Youtube

Unawheel - Entrega e primeiro passeio

Unawheel - Entrega e primeiro passeio
Unawheel - Entrega e primeiro passeio

Imagem 1

Imagem 1
20 anos na cadeira de rodas

Imagem 2

Imagem 2
Tetra Dirigindo? Como consegui tirar a CNH

Lives da Fê no Insta

Live com a Ruth Maria

Live com a Ruth Maria
Os desafios e aprendizados da vida na cadeira de rodas.

Live sobre O olhar para a sexualidade.

Live sobre O olhar para a sexualidade.
Converso com a Andréia Ribeiro @realizemudancas sobre O olhar para a sexualidade.

Live com Marcos Zufelato

Live com Marcos Zufelato
Família sobre Rodas com Marcos Zufelato 12/08/2020