Rock in Rio 2022: Intérprete de Libras se destaca no Palco Sunset

Compartilhe


O Palco Sunset do Rock in Rio Site externo recebeu vários rappers no último sábado, 03 de setembro, de Papatinho e L7nnon a Racionais. Mas quem conseguia desviar a atenção do centro do palco durante as apresentações pode ter reparado em uma figura à esquerda, perto das caixas de som, que ajudava a transmitir o show a quem não podia ouvir as músicas. O intérprete Leo Castilho, de 34 anos, traduzia as canções não apenas com o auxílio da Linguagem Brasileira de Sinais (Libras), mas também por meio da dança. A prática ajuda a população surda a aproveitar com mais profundidade as apresentações musicais ao vivo.

“Pra trabalhar com essa pegada artística e visual, a gente precisa pensar muito a questão do corpo, porque é uma comunicação visual, também. Então a gente precisa entender o ritmo, a variação de notas musicais, e tentar fazer uma espécie de brincadeira. Não dá pra acompanhar sinal por sinal, porque fica até feio, né? É essa mistura de poesia e arte que a gente tenta fazer,” disse o intérprete após o show de Criolo.

Leo, que é surdo, conversou com a equipe do GLOBO Site externo junto com seu parceiro de trabalho Rafael da Mata. Segundo o profissional, a colaboração entre os dois é vital.

“Ele ouve, passa os sinais, e eu não copio tudo que ele está dizendo, mas eu coloco ali uma questão cultural, da maneira como eu sinto já que ser surdo está na minha veia. É uma perspectiva minha que eu coloco na minha interpretação,” afirma.

Acessibilidade no Rock in Rio e em outros eventos culturais

Leo trabalha no Rock in Rio desde 2017, e diz que nota alguns avanços na área da acessibilidade a pessoas surdas em eventos, mas é preciso mais.

“A gente quer vivenciar essas questões na prática. Na área artística, [queremos] artistas com deficiência auditiva participando, se apresentando nesses espaços e divulgando isso em show, mostrando a língua de sinais e as pessoas surdas participando desses momentos.”

O interprete acredita que seu trabalho ajuda nessa divulgação, mas o apoio da equipe é fundamental. Para que eventos alcancem novos públicos, é preciso haver membros desses públicos na organização, em sintonia com colegas com quem se tenha a intimidade necessária para desenvolver o trabalho.

“Esse acesso é muito importante. Eu sou uma pessoa surda e divulgo isso para outras pessoas surdas. Eles veem a gente, veem que a gente é capaz e que elas também podem. Às vezes as pessoas pensam que surdo não gosta de música. Como assim? Nós estamos aqui.”

Fonte: O Globo 

Compartilhe

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu Comentário é muito importante para nós.

Cursos e Eventos

Vídeos no Youtube

Unawheel - Entrega e primeiro passeio

Unawheel - Entrega e primeiro passeio
Unawheel - Entrega e primeiro passeio

Imagem 1

Imagem 1
20 anos na cadeira de rodas

Imagem 2

Imagem 2
Tetra Dirigindo? Como consegui tirar a CNH

Lives da Fê no Insta

Live com a Isabela Ribeiro

Live com a Isabela Ribeiro
Converso com a Isabela sobre Autoestima e superação

Live sobre Pessoas com deficiência: Exemplo de superação? Ou não?

Live sobre Pessoas com deficiência: Exemplo de superação? Ou não?
Converso com a Váleria Schmidt @schmidt sobre Pessoa com deficiência: Exemplo de superação? Ou não?

Live com Roberto Denardo

Live com Roberto Denardo
A pessoa com deficiência na vida pública 06/10/2020