Lei que obriga bancos de Uberlândia a terem intérpretes de Libras entra em vigor

Compartilhe

Medida exige que as agências da cidade tenham tradutor para surdos. Primeiro dia em vigor mostra que a acessibilidade ainda não está presente nos estabelecimentos.


A partir desta terça-feira (13), os bancos de Uberlândia devem disponibilizar intérprete de Libras para traduzir o atendimento para pessoas surdas. As agências da cidade tiveram o prazo de 45 dias para se adequarem à lei nº 13.803, sancionada pelo Executivo no dia 27 de julho.

Segundo a lei, todos os estabelecimentos deverão “contar com a presença de um profissional tradutor e intérprete da Libras, ou plataforma de acessibilidade que integre e supra essa função, voltada para o atendimento da comunidade surda”.

O atendimento deve ser feito no mesmo período de funcionamento da instituição. Também é obrigatória a presença de cartaz de fácil visualização indicando o símbolo de Libras. Quem realizará a fiscalização nas agências para que a medida seja colocada em prática será o Procon-MG.

Fiscalização

Apesar da lei estar em vigor, a acessibilidade ainda não está presente na primeira visita, como foi notado nesta terça pela Adriana Silveira, representante da Associação de Surdos  de Uberlândia (ASUL), com a tradução da intérprete Priscila Gadelha Da Silva.

Em entrevista à TV Integração, Adriana disse que “infelizmente a comunicação deles é muito resumida, eles usam máscaras também, é a primeira cidade que existe essa lei que dá acessibilidade a eles. Então está muito complicada a comunicação”.

A representante também afirma que é necessária a presença de uma pessoa para que a conversa não seja com um personagem virtual.

“Como que vou ter a resposta, o avatar me sinaliza, com quem eu vou falar, como vou tirar minhas dúvidas. Então é preciso de um humano presencial ou por vídeo fazendo essa comunicação”.

Adriana reforçou a necessidade dessa lei para que a comunidade saiba com detalhes as informações das operações bancárias. No primeiro movimento de fiscalização, nesta terça, não foram encontradas pessoas capacitadas a fazer o atendimento, mas que “é bom para mostrar que nós vamos aos bancos para ver se tem acessibilidade, se tem empatia com a pessoa surda para conseguir uma comunicação em libras”.

Por meio de nota, o Procon informou que tem trabalhado junto as instituições financeiras para atender as normas de inclusão e que é rotina a fiscalização. Para denúncia de quebra da lei, é disponibilizado o número de telefone 151.

Fonte: G1

Compartilhe

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu Comentário é muito importante para nós.

Cursos e Eventos

Vídeos no Youtube

Unawheel - Entrega e primeiro passeio

Unawheel - Entrega e primeiro passeio
Unawheel - Entrega e primeiro passeio

Imagem 1

Imagem 1
20 anos na cadeira de rodas

Imagem 2

Imagem 2
Tetra Dirigindo? Como consegui tirar a CNH

Lives da Fê no Insta

Live com a Isabela Ribeiro

Live com a Isabela Ribeiro
Converso com a Isabela sobre Autoestima e superação

Live sobre Pessoas com deficiência: Exemplo de superação? Ou não?

Live sobre Pessoas com deficiência: Exemplo de superação? Ou não?
Converso com a Váleria Schmidt @schmidt sobre Pessoa com deficiência: Exemplo de superação? Ou não?

Live com Roberto Denardo

Live com Roberto Denardo
A pessoa com deficiência na vida pública 06/10/2020