Biblioteca Falada: Aplicativo de geolocalização e acessibilidade a pessoas com deficiência visual

Compartilhe

Projeto de extensão Biblioteca Falada promove acessibilidade a pessoas com deficiência visual por meio de aplicativo de geolocalização e sonorização de textos e imagens


As pessoas são bombardeadas por informações e conteúdos a todo o momento. A notícia do jornal impresso na mesa do trabalho, o celular emitindo notificações, o comercial na televisão da sala de espera, as propagandas em outdoor, as fotos e textos das redes sociais.

Mas você já parou para pensar que nem todos têm acesso a tudo isso? Ou ainda, qual a sensação de poder assistir ao filme ou ler o livro que quiser?

É neste sentido, com o objetivo de ampliar as possibilidades de acesso a pessoas com deficiência visual, que a Biblioteca Falada promove a adaptação de conteúdos de diversos formatos para o áudio. Também realiza trabalhos de audiodescrição e atualmente desenvolve um aplicativo de mapa sonoro acessível da cidade de Bauru. Quer saber mais?

O que é a Biblioteca Falada

Biblioteca Falada é um projeto de extensão universitária da Unesp de Bauru –  Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (FAAC), que promove acessibilidade a partir da adaptação e transposição de materiais imagéticos e textuais para o formato de áudio. Desenvolvido por alunos e professores universitários, o trabalho consiste em transformar qualquer material em uma linguagem acessível, promovendo a inclusão social. 

O projeto é coordenado desde 2013 pela professora Suely Maciel, pós-doutora em Comunicação pela Universidade Autônoma de Barcelona, com experiência profissional em Jornalismo e Editoração na área de acessibilidade. Segundo ela, a Biblioteca Falada permite o contato dos participantes do projeto com a realidade das pessoas com deficiência visual, contribuindo para que os alunos desenvolvam senso crítico, noções de cidadania e de direitos humanos.

O projeto adapta conteúdos literários, jornalísticos ou de entretenimento de diversos formatos, tanto impressos como digitais, e realiza a audiodescrição de vídeos, imagens e até mesmo de ambientes, contribuindo para o melhor desenvolvimento das capacidades de recepção auditiva das pessoas com deficiência visual. 

Recentemente a Biblioteca Falada passou por modificações em sua estrutura e ampliou sua atuação a partir de um novo projeto: criar um aplicativo de geolocalização e mapeamento de locais de interesse de pessoas com deficiência visual.

Aplicativo de geolocalização descreve ambientes e paisagens

A maior parte das atividades da Biblioteca Falada atualmente é voltada para o desenvolvimento de um aplicativo que visa acessibilizar e mapear, a partir do uso da comunicação, os locais de interesse e principais pontos turísticos a pessoas com deficiência visual.

O Siga – Guia Acessível da Cidade, inicialmente é desenvolvido com base nos locais da cidade de Bauru, mas a pretensão é que seja ampliado a outros municípios. Para cada lugar do mapa são dois áudios: um histórico informativo contando mais sobre o local;  e outro audiodescritivo daquele ambiente ou paisagem. Para isso o projeto conta com a colaboração do professor Célio José Losnak, doutor em História Social.

Como é o processo de trabalho da Biblioteca Falada?

Participam em média 35 estudantes de diversos cursos: psicologia, jornalismo, relações públicas, engenharia de produção, arquitetura e artes visuais. Atuando em quatro diferentes núcleos: gestão interna, produção, audiodescrição e relações externas, além da equipe de tecnologia responsável pelo desenvolvimento do aplicativo.

No processo de sonorização primeiro é realizado a coleta de informações sobre os assuntos para a escrita dos roteiros, que são passados para a equipe de locução e posteriormente edição, etapa que inclui o background (fundo musical), vinheta e demais artifícios de sonoplastia.

No núcleo de audiodescrição as imagens são descritas em palavras, ou seja, é narrado o que a cena possui, os componentes em que estão presentes e outras informações que ampliam a compreensão do conteúdo integral dos produtos audiovisuais: sejam vídeos, fotografias, imagens, desenhos, novelas e até mesmo filmes. Mas agora o foco desta equipe é em audiodescrever os ambientes e paisagens para o aplicativo Siga.

Inclusão social e acessibilidade é o foco do projeto

O trabalho do projeto Biblioteca Falada, além de maior conhecimento e atividade intelectual, promove o desenvolvimento das aptidões de audição e audioleitura de pessoas com deficiência visual. Ampliando seus horizontes antes restritos somente a conteúdos sonoros ou em braille – sistema de escrita a partir de pontos de relevo que permite a leitura pelo tato.

Além disso, o projeto também auxilia crianças e pessoas que não conhecem este sistema de escrita. A Biblioteca Falada proporciona assim benefícios como independência e autonomia, aspectos que repercutem em maior autoestima e inclusão social.

Tem interesse por ações como essa? Confira nosso blog e continue acompanhando os conteúdos.

Fonte: Guia de Rodas

Compartilhe

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu Comentário é muito importante para nós.

Cursos e Eventos

Vídeos no Youtube

Unawheel - Entrega e primeiro passeio

Unawheel - Entrega e primeiro passeio
Unawheel - Entrega e primeiro passeio

Imagem 1

Imagem 1
20 anos na cadeira de rodas

Imagem 2

Imagem 2
Tetra Dirigindo? Como consegui tirar a CNH

Lives da Fê no Insta

Live sobre Pessoas com deficiência: Exemplo de superação? Ou não?

Live sobre Pessoas com deficiência: Exemplo de superação? Ou não?
Converso com a Váleria Schmidt @schmidt sobre Pessoa com deficiência: Exemplo de superação? Ou não?

Live com Roberto Denardo

Live com Roberto Denardo
A pessoa com deficiência na vida pública 06/10/2020

Live com a Ruth Maria

Live com a Ruth Maria
Os desafios e aprendizados da vida na cadeira de rodas.