Especial Dia das Mães 2021: Conheça o Mãelitante

Compartilhe

Projeto estreia para homenagear as mães através do debate social, conscientização e sororidade

Por Rafael Ferraz Carpi - Publisher

Descrição da imagem #PraCegoVer: Card com ilustração de uma mãe militante negra, no centro da imagem. Ela ergue uma placa com a palavra “mãelitante”. Com a mão esquerda segura a cadeira de rodas do seu filho, que está à sua frente, de perfil. O símbolo universal de acessibilidade está em torno da ilustração. No rodapé está uma frase que diz: Mães em luta pela transformação social. Créditos: Divulgação

O projeto Mãelitante – neologismo que se refere a mãe que luta em busca da transformação da sociedade, pelos direitos dos filhos – surgiu para conectar as mães de crianças com deficiências e transtornos para a troca de experiências e informações. O movimento estreia em homenagem ao Dia das Mães, neste domingo (9), criando uma rede de sororidade onde essa mulher possa se sentir acolhida, principalmente agora, diante da reclusão forçada pela  pandemia.

O movimento conta com a página no Instagram @maelitante  (www.instagram.com/maelitante/), onde semanalmente será realizada uma live com  palestras e debates sobre temas de interesse das mães. Participação de médicos especialistas, advogados especializados na LBI – Lei Brasileira de Inclusão (Lei Nº 13.146/2015) e na judicialização para tratamentos de saúde, membros de instituições como Defensores Públicos e outras mães, para troca de informações e conscientização de empoderamento dessas mulheres. 

A idealização é da empreendedora social Daniela Rorato, especializada em políticas de atenção para pessoas com deficiências,  e mãe do Guto, um jovem de 24 anos com Síndrome de Down e Transtorno do Espectro Autista (TEA), nível III.

Daniela explica que a realidade da mãe da criança com deficiência no Brasil é bem dura: 70% delas são abandonadas pelo pai e são, portanto, mães solo. Muitas vezes, tem outros filhos e para ela não existem políticas públicas. A maioria se torna uma mãe cuidadora, numa equação bem simples: se o filho precisa de terapias e cuidados específicos, ou ela tem condições de pagar alguém para cuidar, e assim poder trabalhar, ou é ela quem cuida por 24h.

“Quem é cuidadora em 24h sabe o que é isolamento, distanciamento social e passa por muitas quarentenas na vida. Creche, na pandemia? Escola para um filho com deficiência múltipla e profunda?”, questiona Daniela.

Em razão do nascimento de um filho com deficiência, muitas mães deixam de trabalhar e não têm vida social. O impacto da luta diária de criar um filho com deficiência no Brasil e depender das ínfimas políticas públicas é uma peregrinação. “Mas como anda a saúde mental dessa mulher?”, reforça a criadora do Mãelitante.

“A mãe cuidadora peregrina no sistema burocrático, seja em busca do tratamento adequado para seu filho, ou até judicialização para o cumprimento dos direitos até mais básicos. Além disso, o grupo de mães reunidas proporciona pertencimento através da sororidade. Uma sensação de não ser a única e de também não estar mais sozinha”, comenta Daniela.

Ativista especializada na defesa dos direitos das pessoas com deficiência e da mãe cuidadora, Daniela foi vice-presidente fundadora da ONG AMAR, de Recife (PE), e é especializada em políticas públicas para pessoas com deficiências, empreendedora social e gestora da Soluções Inclusivas. 

“Durante muitos anos eu coordenei reuniões de acolhimento e conscientização para mães cuidadoras. Agora, com a pandemia, não podemos fazer presencial. Então a intenção é levar a informação até elas. E informação pode mitigar as dúvidas e decisões, além de trazer empoderamento”, completa Daniela.

As lives serão realizadas sempre às quartas-feiras, no perfil no Instagram, onde você confere a programação inicial, e será informado o link para quem quiser participar e interagir. Acesse: @maelitante  (www.instagram.com/maelitante/).

Fotografia da criadora do Mãelitante, com descrição na legenda.

Descrição da imagem #PraCegoVer: Daniela é uma de pele branca e cabelos pretos longos. Está sorrindo, sentada atrás de uma mesa de escritório, e usa blusa de manga cumprida com listras brancas e pretas. Seu braço esquerdo está sobre a mesa, e seu rosto apoiado na mãe direita. Créditos: Divulgação


Fonte: Jornalista Inclusivo

Compartilhe

Um comentário:

Seu Comentário é muito importante para nós.

Cursos e Eventos

Vídeos no Youtube

Unawheel - Entrega e primeiro passeio

Unawheel - Entrega e primeiro passeio
Unawheel - Entrega e primeiro passeio

Imagem 1

Imagem 1
20 anos na cadeira de rodas

Imagem 2

Imagem 2
Tetra Dirigindo? Como consegui tirar a CNH

Lives da Fê no Insta

Live sobre Pessoas com deficiência: Exemplo de superação? Ou não?

Live sobre Pessoas com deficiência: Exemplo de superação? Ou não?
Converso com a Váleria Schmidt @schmidt sobre Pessoa com deficiência: Exemplo de superação? Ou não?

Live com Roberto Denardo

Live com Roberto Denardo
A pessoa com deficiência na vida pública 06/10/2020

Live com a Ruth Maria

Live com a Ruth Maria
Os desafios e aprendizados da vida na cadeira de rodas.