Mídia Televisiva e o preconceito em relação aos Jogos Paralímpicos

Compartilhe

Caro leitor,
   Considerando que o esporte é um evento que proporciona a inclusão social e onde há um grande número de participantes e simpatizantes em todo mundo; considerando que a mídia televisiva é um veículo maciço e influente de comunicação de massa; considerando que a  TV Aberta cobriu em tempo real os jogos Olímpicos com acompanhamento e torcida de todos os brasileiros, e considerando que no artigo 5º da Constituição Federal diz que: “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza”, venho manifestar minha indignação pela discriminação das TVs Abertas em relação aos atletas paralímpicos brasileiros.
   Enquanto nos Jogos Olímpicos houve cobertura em tempo real pela mídia televisiva, nos Jogos  Paralímpicos há somente boletins de menos de 10 minutos de uma única emissora de TV aberta. A Rede Record que se orgulhou  de ter realizado 165 horas de transmissões dos Jogos Olímpicos deixou bem claro que não tinha nenhum interesse nas transmissões dos Jogos Paralímpicos. A Rede Globo por sua vez, demagogicamente disse que faria uma “ampla cobertura”. Ampla cobertura significa mostrar vídeo tapes diários de menos de 10 minutos sobre os jogos paralímpicos? Vergonhoso! Nos jogos Olímpicos de 2016 foi confirmado que a Rede Record e a Rede Globo dividirão a transmissão com a Band. Enquanto os Jogos Paralímpicos, ninguém comenta sobre o assunto. Na abertura dos Jogos Olímpicos a presidente Dilma Rousseff esteve presente para prestigiar os atletas.
    Nossos atletas paralímpicos são brasileiros e cidadãos tanto quanto os atletas olímpicos. E merecem nosso respeito e admiração.  A Paralímpiada é um grande momento para mostrar a sociedade que a performance de um atleta com deficiência é igual ou até melhor que um atleta sem deficiência, haja vista o número de medalhas e os recordes que esses corajosos atletas  conquistam a cada Paralímpiada (ver abaixo quadro de medalhas).  Portanto não há motivo para o mercado empresarial e a mídia não investirem nesse tipo de jogos. Além do que, essa  poderia ser uma grande oportunidade para uma emissora de TV mostrar sua preocupação e compromisso com a inclusão de pessoas com deficiência. Isso é responsabilidade social!  Contudo, contraditoriamente, preferem continuar com seus discursos demagógicos e assistencialistas a incluir esses cidadãos na sociedade.
   Estou perplexa com tamanha discriminação. A inclusão não é algo que se fala, mas algo que se vive. É considerar a existência do outro. É acreditar que todos têm direito de participar ativamente da sociedade.
   Mais uma vez a mídia televisiva expressa descaradamente o preconceito e a discriminação em relação aos atletas com deficiência.
Vera Garcia
Quadro de Medalhas dos Jogos Olímpicos – 2008
Quadro de Medalhas dos Jogos Paralímpicos- 2008


Fonte: Blog Deficiente Ciente

Compartilhe

Um comentário:

  1. Eu também acho que a mídia não dá a atenção devida às paraolimpíadas... desde o começo duvidei de que seria amplamente divulgadas as notícias a respeito do desempenho dos para-atletas, o que se comprova! Uma vergonha!

    Drica.

    ResponderExcluir

Seu Comentário é muito importante para nós.

Cursos e Eventos

Vídeos no Youtube

Unawheel - Entrega e primeiro passeio

Unawheel - Entrega e primeiro passeio
Unawheel - Entrega e primeiro passeio

Imagem 1

Imagem 1
20 anos na cadeira de rodas

Imagem 2

Imagem 2
Tetra Dirigindo? Como consegui tirar a CNH

Lives da Fê no Insta

Live com a Isabela Ribeiro

Live com a Isabela Ribeiro
Converso com a Isabela sobre Autoestima e superação

Live sobre Pessoas com deficiência: Exemplo de superação? Ou não?

Live sobre Pessoas com deficiência: Exemplo de superação? Ou não?
Converso com a Váleria Schmidt @schmidt sobre Pessoa com deficiência: Exemplo de superação? Ou não?

Live com Roberto Denardo

Live com Roberto Denardo
A pessoa com deficiência na vida pública 06/10/2020