Saiba mais sobre a história dos Jogos Paralímpicos

Compartilhe


Em 1948, Ludwig Guttman organizou uma competição esportiva que envolvia veteranos da Segunda Guerra Mundial com lesão na medula espinhal. O evento foi realizado em Stoke Mandeville, na Inglaterra. Quatro anos mais tarde, competidores da Holanda uniram-se aos Jogos e assim nasceu um movimento internacional. Este fez com que jogos no estilo olímpico, para atletas com deficiência, fossem organizados pela primeira vez em Roma, em 1960.

Em Toronto, 16 anos depois, foram adicionados na competição outros grupos de pessoas com deficiência. A partir daí, surgiu a ideia de fundir estes diferentes grupos em um grande torneio esportivo internacional. Naquele mesmo ano, 1976, a Suécia organizou os primeiros Jogos Paralímpicos de Inverno.

Hoje, as Paralimpíadas são eventos de esporte de alto rendimento para atletas com deficiência. Apesar disso, elas enfatizam mais as conquistas do que as deficiências de seus participantes. O movimento tem crescido de maneira significante desde os primeiros dias. 400 atletas participaram dos Jogos de Roma, em 1960. Nos Jogos de Pequim, em 2008, foram 3.951 participantes de 146 países.


Os Jogos Paralímpicos têm sido sempre realizados no mesmo ano dos Jogos Olímpicos. Desde a Paralimpíada de Seul, em 1988, também têm sido sediados no mesmo local. Em 19 de junho de 2001, foi assinado um acordo entre o Comitê Olímpico Internacional (COI) e o Comitê Paralímpico Internacional (IPC) que assegura esta prática para o futuro.

Desde o processo de escolha para os Jogos de 2012, a cidade-sede escolhida também é obrigada a acolher a Paralimpíada. Londres, no Reino Unido, receberá, de 29 a 9 de agosto a maior Paralimpíada da história.
No Brasil
A história do esporte paraolímpico no Brasil teve início em 1958 com a fundação do Clube do Otimismo, no Rio de Janeiro. A iniciativa partiu dos atletas paraplégicos, Robson de Almeida Sampaio e Sérgio Delgrande. 

Nesse mesmo ano surgia, em São Paulo, o Clube dos Paraplégicos. Já no ano seguinte, 1959, foi realizada a primeira competição de atletas portadores de deficiência no Brasil – um jogo de basquete em cadeira de rodas que reuniu equipes do Rio e de São Paulo.
O basquete em cadeira de rodas foi o primeiro esporte paraolímpico disputado por aqui. Com o passar do tempo, porém, outras modalidades paraolímpicas começaram a ser praticadas, surgindo a necessidade da criação de uma entidade que passasse a organizar o esporte paraolímpico. Foi assim que, em 1975, foi fundada a Associação Nacional de Desporto para Deficientes (ANDE). Antes mesmo da criação da ANDE, atletas brasileiros disputaram pela primeira vez os Jogos Paraolímpicos. A estréia aconteceu nos Jogos de Heidelberg, em 1972, porém, sem grandes resultados.

No ano seguinte à fundação da ANDE, 1976, os brasileiros já viajaram de maneira mais organizada rumo ao Canadá, onde disputaram os Jogos de Toronto e conquistaram as primeiras medalhas. Robson Sampaio de Almeida e Luís Carlos Curtinho conquistaram a prata na bocha, colocando o Brasil na 31ª colocação geral no quadro de medalhas.

Em 1980, os atletas brasileiros disputaram os Jogos Paraolímpicos de Arnhem, na Holanda. Fomos representados apenas pela seleção masculina de basquete e um nadador, e acabamos voltando sem medalhas.

O 
número de atletas com deficiência cresceu vertiginosamente na década de 80, exigindo a criação de novas entidades para melhor organizá-lo. Dessa maneira, em 1984 foi fundada a Associação Brasileira de Desporto para Cegos (ABDC) e a Associação Brasileira de Desporto em Cadeira de Rodas (ABRADECAR). Nesse mesmo ano os atletas brasileiros disputaram os Jogos de Nova Iorque, no qual conquistaram seis medalhas. A corredora deficiente visual, Márcia Malsar, conquistou a medalha de ouro nos 200 m rasos. Os Jogos de 84 foram realizados em duas sedes. Em Nova Iorque foram disputadas as provas para deficientes visuais, amputados e paralisados cerebrais. Já em Stoke Mandeville, na Inglaterra, foram disputadas as
provas para cadeirantes. O Brasil também obteve uma boa colocação e conquistou 21 medalhas.
Em 1988, os brasileiros disputaram os Jogos de Seul, batendo todos os recordes ao conquistar 27 medalhas, sendo quatro de ouro, 10 de prata e 13 de bronze. Destaque para Luís Claudio Pereira que conquistou três medalhas de ouro nas provas de arremesso de disco, dardo e peso, além de estabelecer três recordes mundiais. O Brasil terminou os Jogos em 25º lugar.

Os anos foram passando e o número de atletas com necessidades especiais não parava de crescer. Para organizar, classificar e promover eventos,
novas entidades foram criadas. Em 1990 surgiu a Associação Brasileira de Desporto para Amputados (ABDA). Em 92, disputamos os Jogos Paraolímpicos de Barcelona. Não fomos tão bem quanto em Seul, mas terminamos em 30º lugar, entre 82 participantes. Esses Jogos, porém, revelaram ao Brasil e ao mundo a velocista Ádria Santos, que conquistou a sua primeira medalha de ouro.

Em 1995 foi criada a Associação Brasileira de Desporto para Deficientes Mentais (ABDEM) e, nesse mesmo ano, as cinco entidades paradesportivas brasileiras (ANDE, ABDC, ABRADECAR, ABDA e ABDEM) unem-se e criam o
Comitê Paraolímpico Brasileiro (CBP), órgão que, desde então, é o grande responsável pela organização de eventos no Brasil além de enviar equipes para disputar eventos organizados pelo Comitê Olímpico Internacional.
No ano seguinte, em 1996, os atletas brasileiros foram à Atlanta e conquistaram 21 medalhas. Também em 96 foi realizada a primeira edição dos Jogos Brasileiros Paradesportivos, reunindo cerca de 700 atletas, em Goiânia. No ano 2000 os atletas brasileiros disputaram os Jogos de Sidney, conquistando 22 medalhas e a 24ª colocação no quadro geral de medalhas. Em Atenas, novo recorde. Os brasileiros conquistaram 33 medalhas, sendo 14 de ouro, 12 de prata e 7 de bronze, terminando os Jogos na 12ª colocação.
 
Associações nacionais

   Além do Comitê Paraolímpico Brasileiro, o esporte paraolímpico nacional é organizado por seis associações, que representam seus atletas baseadas em suas deficiências e não em um esporte específico.
- Associação Brasileira de Desporte para Cegos (ABDC)
- Confederação de Desporto de Surdos (CBDS)
- Associação Brasileira de Desporto para Amputados (ABDA)
- Associação Brasileira de Desporto em Cadeira de Rodas (ABRADECAR)
- Associação Nacional de Desporto para Deficientes (ANDE)
- Associação Brasileira de Desporto para Deficientes Mentais (ABDEM)
2008 - Pequim
Ao todo conquistamos 47 medalhas, 14 a mais do que na última edição dos Jogos. Dessas 47 medalhas, 16 foram de ouro (contra 14 de Atenas). Só a natação brasileira ganhou nada menos do que 19 medalhas.Terminamos os Jogos na honrosa 9ª colocação.
O nadador brasileiro Daniel Dias tornou-se o atleta paraolímpico que mais conquistou medalhas nesses Jogos - nove ao todo, sendo quatro de ouro. O velocista Lucas Prado igualou o seu desempenho ao polêmico Oscar Pistorius, que entrou na competição como o grande nome do atletismo. Ambos conquistaram três medalhas de ouro.
Destaque também para o ouro no futebol de cinco e no tênis de mesa por equipe.


Compartilhe

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu Comentário é muito importante para nós.

Cursos e Eventos

Vídeos no Youtube

Unawheel - Entrega e primeiro passeio

Unawheel - Entrega e primeiro passeio
Unawheel - Entrega e primeiro passeio

Imagem 1

Imagem 1
20 anos na cadeira de rodas

Imagem 2

Imagem 2
Tetra Dirigindo? Como consegui tirar a CNH

Lives da Fê no Insta

Live com a Isabela Ribeiro

Live com a Isabela Ribeiro
Converso com a Isabela sobre Autoestima e superação

Live sobre Pessoas com deficiência: Exemplo de superação? Ou não?

Live sobre Pessoas com deficiência: Exemplo de superação? Ou não?
Converso com a Váleria Schmidt @schmidt sobre Pessoa com deficiência: Exemplo de superação? Ou não?

Live com Roberto Denardo

Live com Roberto Denardo
A pessoa com deficiência na vida pública 06/10/2020