Mais acessibilidade no Carnaval 2020

Compartilhe »»

O prazo máximo para efetivar a oferta ao SUS é de 180 dias

Cadeirantes na bateria do bloco Quando Come Se Lambuza (Foto: Divulgação / Carol Reis)

Acompanhando as redes sociais, foi possível observar, por todo o Brasil, mais acessibilidade no Carnaval 2020. Desde tradução de Libras nos palcos até blocos que se prepararam para receber cadeirantes com segurança, acredito que as iniciativas permitem concluir que houve avanços.

Vamos em frente para conferir estas ações?

Em BH, houve iniciativas dignas de nota, como shows com a presença do intérprete de Libras e blocos que tomaram medidas para incluir cadeirantes no cortejo.

O bloco Todo Mundo Cabe no Mundo entrou em seu 5º ano com energia total para receber… todo mundo! Criado em 2016 pelo escritor Marcelo Xavier, que é usuário de cadeira de rodas, recebe a todos, sejam quais forem suas singularidades. Para saber mais, clique aqui.

Os blocos Garotas Solteiras e Pena de Pavão de Krishna criaram um espaço para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida que quisessem estar mais seguras para participar do cortejo. E o Tchanzinho Zona Norte também estava aberto aos cadeirantes.

Nesta reportagem, ficamos sabendo que o Quintalzão da Skol ofereceu às pessoas com deficiência um espaço acessível, com DJ, bar e uma mangueira gigante. Junto com o bloco Quando Come Se Lambuza, criou em 2019 a Bateria Arredondante, para que cadeirantes pudessem desfilar com conforto e segurança.

Acessibilidade no Carnaval em São Paulo

Em São Paulo, a Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência levou acessibilidade ao Sambódromo e às ruas com o projeto “Samba com as Mãos”, que já está na 5ª edição. Assim, os enredos das escolas do Grupo Especial foram publicados com tradução em Libras e legendas, e os desfiles no Sambódromo contaram com audiodescrição transmitida em tempo real pelo Facebook da Secretaria. A novidade neste ano foi a presença de intérpretes de Libras em alguns blocos de rua. Para mais informações, clique aqui.

Outras cidades

Para documentar a acessibilidade no Carnaval, criei a hashtag #cadeiravoadoranocarnaval. Algumas pessoas a utilizaram, e eu mesma a registrei nas postagens que fui descobrindo, então foi possível reunir ações envolvendo a participação de pessoas com deficiência durante esse período.

Foi assim que fiquei sabendo que várias cidades, além de SP e BH, promoveram um Carnaval mais inclusivo, como Brasília, Salvador, Rio e João Pessoa, por exemplo. Compartilharei algumas dessas iniciativas abaixo, mas, se você tem Instagram, é só clicar na lupa e escrever #cadeiravoadoranocarnaval para conferir outras!

Em Salvador, o @blocodaaninha e o Bloco da @mari_fuso se reuniram à @pipocadesaulo, e, você sabe, também no que se refere à inclusão, a união faz a força.


#PraCegoVer: Mais de 100 pessoas no camarote da Cidade da Prefeitura de SP. Telão com o “Samba com as Mãos” como destaque. 


Nenhum comentário

Seu Comentário é muito importante para nós.

Tecnologia do Blogger.