Riachuelo lança coleção inclusiva: À La Garçonne

Compartilhe »»

No dia 2 de dezembro, a Riachuelo lançou sua primeira linha inclusiva, tendo na passarela modelos que representam a diversidade humana. Ela já está presente em 65 lojas físicas brasileiras e na loja on-line, com entrega para todo o Brasil.
Então, é hora de comemorar, porque uma grande barreira foi ultrapassada. Finalmente, uma loja de departamento terá roupas adequadas a pessoas com deficiência!

Rompendo padrões

A linha é uma parceria entre À La Garçonne, Barbie e Riachuelo, sob a direção criativa de Alexandre Herchcovitch, um dos estilistas mais importantes do país.

É uma moda sem gênero, que mistura referências diversas. Os tamanhos vão do PP ao 3G, e parte da coleção tem peças adaptadas para pessoas com deficiência – como bainhas ajustáveis, botões magnéticos e fechos com cordões de elástico ou velcro macio, pensados para facilitar o processo de vestir sem alterar o design da peça.

Como vocês verão pelas fotos e vídeos, estão mandando super bem na campanha! As roupas estão lindas, e os modelos esbanjando charme. Entre as estrelas estão Sabrina Sato, Fernando Fernandes, Paola Antonini, Izabelle Marques, Paloma Barbiezinha e Rebeca Barreto.

Barbie presente!

A Barbie, uma das parceiras da coleção, comemorou 60 anos em 2019 e quer ser vista como aquela que quebra barreiras, após já ter sido criticada pela imagem padronizada e massificada.

Por isso, em 2019 reapareceu a Barbie cadeirante, que havia sido descontinuada há anos. Assim também apareceram outras bonecas fora do padrão, com cabelos de cores diferentes, mais baixinhas, mais gordas, negras e por aí vai. Agora a marca quer  reforçar a ideia de que é possível ser o que você quiser.

Segundo está registrado no site da Riachuelo, “Ao longo de seis décadas, ela já teve mais de 200 carreiras, muitas das quais eram consideradas tipicamente masculinas – bombeira, piloto de avião, jogadora de futebol e engenheira robótica são só algumas delas. A Barbie astronauta, lançada em 1965, pisou na Lua antes mesmo do primeiro homem a alcançar o feito. Quando a Barbie cirurgiã foi lançada, em 1973, apenas 9% dos médicos dos EUA eram mulheres. Com tons de pele, belezas e corpos cada vez mais plurais, a Barbie reflete hoje as conquistas das mulheres. Mais do que isso, ela celebra as diferenças, como um símbolo das múltiplas possibilidades.”

O que eu achei

Fiquei felicíssima quando vi, no final de novembro, as primeiras imagens no Instagram da estilista e modelo cadeirante Izabelle Marques e na da estilista Silvana Louro, da Equal Moda Inclusiva.

Todos que acompanhamos o desenvolvimento da moda inclusiva não víamos a hora de vê-la adentrar as lojas de departamento. Com isso, o preço cai e o acesso do público fica facilitado, uma vez que esse tipo de loja está presente em cidades de portes diversos.

As peças são bonitas, com uma pegada moderna, mas resta saber se são de fato funcionais. No site da Riachuelo, consta que apenas uma loja de Belo Horizonte oferece a coleção. Espero ter condições de ir até lá o mais breve possível para testar as roupas e contar pra você!

Espero que faça bastante sucesso, para que cada vez mais vejamos modelos com deficiência nas passarelas e roupas inclusivas nas araras das lojas!


Print da loja virtual mostra a modelo cadeirante Rebeca Barreto.

Para saber mais:

Sobre a parceria e tudo o mais, clique aqui
Para ver a coleção completa, clique aqui






Nenhum comentário

Seu Comentário é muito importante para nós.

Tecnologia do Blogger.