Conheça a primeira brasileira com síndrome de down a tirar carteira de motorista

Compartilhe »»

Para Maria Clara de Carvalho o céu é o limite. A jovem com 22 anos, moradora de Camburi, em Vitória já é chefe de cozinha, faz aulas de teatro, dança, é casada e agora será a primeira mulher no brasil a obter a CNH (Carteira Nacional de Habilitação).

Segundo o relato de Maria Clara, desde criança ela sonhava em dirigir, quando ela está no voltante ao volante, ela sente uma emoção muito grande, ela tem uma sensação de liberdade, algo sensacional.

O objetivo dela é se preparar para ser a primeira brasileira com Síndrome de Down a ter CNH. Para tanto, ela estuda muito todos os dias, por meio de livros com a parte teórica bem como os simulados que existem na internet.

No entanto, seu sonho está condicionado a avaliações psicológicas que ela deverá ser aprovada com o intuito de comprovar sua capacidade psiquíca. Enquanto isso, ela já realiza aulas prática com seu pai e em breve terá sua primeira aula na autoescola.

Segundo o pai de Maria Clara, o empresário Aldeci Carvalho, o teste só apontará para aquilo que ele acredita há muitos anos: Ela é totalmente capaz. Todos nós temos limitações, mas o objetivo que ela quer alcançar é possível. A notícia de que ela tinha um ‘problema’ foi dada por uma equipe médica despreparada e com pouca informação. O grande problema, infelizmente, é o preconceito”.

O dono da auto escola onde Maria Clara fará as aulas práticas, Tiago Gavassa, fez questão de ser o professor dela, para ele a  vontade de Maria Clara em assumir a direção é tanta que todos os envolvidos no processo se sentem motivados.

Para Maria Clara, desde que ela nasceu  o mundo lhe disse não. Para tudo! Os pais dela contaram a ela que, algumas pessoas pessimistas e sem noção chegaram a falar para eles que ela não conseguiria ler, escrever, e nem se comunicar bem. Namorar e casar então… Nem entrava em cogitação. Muitos a apontavam e diziam: não vai fazer isso, não vai fazer aquilo, sempre me impondo a certas limitações. Mas seus pais jamais a limitaram e sempre lhe deram oportunidades, a tratando como uma menina normal.

Em seu relato a revista Marie Claire ela disse: “Nunca devemos ficar presos a limites que querem nos impor, pois somos dono do nosso destino! E eu mudei o meu, viu? Afinal, o preconceito está nos olhos das pessoas, de quem nos vê. E nunca esteve nos meus”.

Como falamos anteriormente, para essa garota: o céu é o limite. Esperamos que em breve ela conquiste mais esse sonho.


Fonte e Imagem: TV Tec Jundiai e Revista Marie Claire

Imagem: Arquivo pessoal e Tv Tec Jundiai

Nenhum comentário

Seu Comentário é muito importante para nós.

Tecnologia do Blogger.