16/02/2016

Conheça a tecnologia vestível que ajuda a controlar próteses!

Mais uma tecnologia vestível que pode ajudar na independência das pessoas com deficiência!!




Recentemente, uma equipe de pesquisadores da Johns Hopkins usou a pulseira Myo em um amputado para ajudá-lo a controlar seu braço protético. A Myo pode ser usada por qualquer um para controlar dispositivos. Inicialmente, ela foi pensada para controlar outros dispositivos à distância. Quando a pessoa que a está vestindo faz um gesto, a pulseira reconhece lendo a atividade muscular e envia a informação para um dispositivo conectado, imagine isso sendo um computador, um celular, um drone ou um videogame.



Bem, mas a proposta de uso da Myo aqui é diferente, a ideia é que ela ajude a controlar próteses!!



Johnny Matheny, que perdeu um de seus braços devido a um Câncer, participa da pesquisa onde a Myo é usada como tecnologia assistiva para pessoas amputadas. Ele usa duas braçadeiras Myo que monitoram sua atividade muscular no braço e quando ele pensa em mover seu braço de diferentes maneiras (torcer, apertar, abrir, fechar, etc.), a intenção muscular é convertida em sinais, transmidos para um computador próximo, que por sua vez, os envia para o braço protético para executar a ação desejada. No futuro, espera-se que Johnny possa ser capaz de dizer o quão duro ou mole é um objeto e até mesmo a temperatura.



Mas não pense que esse processo foi simples para Johnny até agora! Ele teve que fazer uma cirurgia para a reorganizar as terminações nervosas de seu braço amputado. Após a cirurgia, ele passou por muitas de horas de treino com exercícios para trabalhar com o braço protético. Mas todos os seus esforços foram recompensados ​​até agora.



Assista ao vídeo abaixo para ver Johnny Matheny trabalhar seu braço protético.




Esse outro vídeo sobre a Myo também pode te interessar porque mostra o uso da pulseira em outros contextos:




Fonte: Reab.me
Proxima Anterior Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Seu Comentário é muito importante para nós.