19/11/2015

Debate sobre perda auditiva: informação é a melhor prevenção contra o preconceito

Foram muitas interações no debate virtual “Soluções auditivas: pelo bem-estar e contra o preconceito”, promovido pelo site Diversidade na Rua (www.diversidadenarua.cc/), projeto da empresa Mercur, em parceria com o portal Deficiência Auditiva (www.deficienciaauditiva.com.br) no dia 12 de novembro, às 19h.

A mediação do debate foi feita pela equipe do Portal Deficiência Auditiva: a fonoaudióloga Mônica de Sá Ferreira, do conselho editorial do portal Deficiência Auditiva; a jornalista e deficiente auditiva, Daniella Lisieux de Oliveira Navarro, e a editora do portal Deficiência Auditiva, Juliana Tavares.

“A população, em geral, não está preparada para receber e atender o cliente com perda auditiva, assim como não sabe lidar com os outros problemas”, afirmou uma das participantes, Luciana de Araújo Machado, fonoaudióloga. 

“O funcionário que trabalha em um guichê para atender pessoas com deficiências, deveria estar preparado para se comunicar com pessoas surdas, ter uma boa articulação labial e expressão fácil, e saber o básico de LIBRAS".

Até hoje não encontrei nenhum que soubesse "LIBRAS”, reforçou Patrícia Rodrigues Witt, terapeuta ocupacional, deficiente auditiva profunda e escritora do blog e livro “Surdez Silêncio em Voo de Borboleta”, que também participou do debate.

A questão da demora em procurar por tratamento adequado também foi apresentada no debate. Isso porque estudos mostram que uma pessoa que está perdendo audição pode demorar até 7 anos para procurar auxílio médico. 

A fase do luto é muito grande e isso acaba prejudicando o tratamento, pois a perda auditiva costuma ser progressiva. 

Além da falta de informação, perdas auditivas progressivas costumam ser menos percebidas que uma surdez súbita, por exemplo, onde a pessoa deixa de ouvir de uma hora pra outra. As pessoas não têm ideia da privação e mal que estão fazendo ao cérebro se não houver estimulação. Inclusive saiu, recentemente, mais um trabalho científico relacionando a perda auditiva com problemas cognitivos, como o Mal de Alzheimer”, relatou a fonoaudióloga Mônica Ferreira.

Para Daniella Navarro, informação é a chave para a autoaceitação. “Quem não sabe o que é a surdez e o quanto aparelhos auditivos podem ajudar, acha que ficar surdo é coisa do destino, vontade de Deus etc'. 

Quando eu não usava AASI, achava que se eu aceitasse usar um aparelho auditivo ficaria ainda mais surda porque meus ouvidos iriam se acostumar com um som mais alto. Sério!

Eu achava que se eu me esforçasse para ouvir, estaria "estimulando" meus ouvidos! Olha que absurdo! 

"Eu só passei a entender que meus ouvidos estavam se atrofiando quando encontrei médicos e fonoaudiólogos com paciência para me explicar como um aparelho auditivo funciona.”

Você pode ter acesso ao conteúdo completo do debate acessando: http://bit.ly/debate-perda-auditiva 

Caso queira enviar dúvidas, sugestões ou contribuir com depoimentos, envie um e-mail pararedacao.deficienciaauditiva@gmail.com

Ajude-nos a conscientizar a sociedade sobre a importância dos cuidados com a saúde auditiva.

Você tem alguma sugestão de tema para um próximo debate aberto? Encaminhe para o e-mail: diversidade@mercur.com.br

Proxima Anterior Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Seu Comentário é muito importante para nós.