15/06/2015

Exoesqueleto para paraplégicos começa a ser vendido nos EUA.

ReWalk: o exoesqueleto permite que paraplégicos caminhem, subam e desçam escadas.

Maurício Grego, de EXAME.com



Argo Medical Technologies


A empresa Argo Medical Technologies começa a vender um exoesqueleto robótico para paraplégicos nos Estados Unidos. Chamado ReWalk, ele permite que a pessoa fique em pé e caminhe de forma independente – um sonho para quem está preso a uma cadeira de rodas.

O ReWalk já era vendido na Europa desde 2012. Nos Estados Unidos, porém, ele ainda estava sob avaliação da Food and Drug Administration (FDA), a agência federal que regulamenta produtos de saúde. Só podia ser usado em centros de reabilitação. 

Ontem, a FDA liberou a venda para pacientes. O ReWalk custa o equivalente a 160 mil reais. Ele possui um conjunto de motores que movimentam as articulações do joelho e dos quadris, além de uma estrutura que suporta o peso da pessoa.

Usado em conjunto com um par de muletas, o exoesqueleto permite que uma pessoa paraplégica fique em pé, vire-se, suba e desça escadas. Para comandá-lo, um conjunto de sensores fornece informações a um computador de controle, que fica numa mochila. 

Quando a pessoa desloca seu peso para a frente ou para um dos lados, o computador aciona os motores para que ela dê um passo na direção desejada.

Um conjunto de baterias fornece, segundo o fabricante, energia para um dia inteiro de uso. A ideia é que as baterias sejam recarregadas durante a noite.

O ReWalk é resultado da obstinação do israelense Amit Goffer. Ele ficou quadriplégico por causa de um acidente. Em 2001, fundou a Argo Medical Technologies para desenvolver soluções que lhe permitissem andar novamente.

O ReWalk é seu primeiro produto. Sendo quadriplégico, Goffer não pode usar esse exoesqueleto, que exige que a pessoa tenha braços e a parte superior do tronco funcionais. Mas a empresa continua desenvolvendo outras soluções.

Centenas de paraplégicos já testaram o ReWalk. Em 2012, a inglesa Claire Lomas andou todo o percurso da maratona de Londres usando o exoesqueleto. Ela completou o trajeto em 17 dias, dividindo-o em muitos trechos.

Miguel Nicolelis

O sistema de controle do ReWalk é mais simples do que aquele que foi exibido pelo neurocientista brasileiro Miguel Nicolelis e pelo voluntário Juliano Pinto na abertura da Copa do Mundo.

Num dos momentos mais esperados da cerimônia de abertura, Juliano, que é paraplégico, usou um exoesqueleto robótico para dar um pontapé inicial simbólico numa bola, depois de percorrer alguns poucos passos sobre um tapete.

O exoesqueleto criado por Nicolelis e sua equipe emprega uma interface cérebro-máquina que requer a colocação de sensores em torno da cabeça. Por isso, Juliano usava uma espécie de capacete.

O ReWalk não exige isso e é usado com roupa comum. Requer apenas um treinamento prévio para que a pessoa aprenda a controlá-lo e fortaleça os músculos envolvidos no processo.

Este vídeo publicitário (em inglês) mostra o ReWalk em ação:





Proxima Anterior Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Seu Comentário é muito importante para nós.