Empresa lança celular em braile feito com impressora 3D

Compartilhe

A OwnFone, companhia londrina que desenvolve celulares impressos em 3D, lançou o que considera ser o primeiro celular em braile à venda no mundo. O aparelho recebe o mesmo nome da empresa e está disponível apenas no Reino Unido por £ 60, equivalente a R$ 223,00. 

O dispositivo pode ser personalizado com dois ou quatro botões pré-programados com contatos de amigos, familiares, emergência, entre outros. Para quem não lê braile, há um modelo de impressão do texto em relevo no teclado.

Ainda que seja o primeiro aparelho disponível no mercado, o OwnFone em braile não é uma ideia original. Em 2013 uma startup indiana desenvolveu um protótipo de um smartphone com display em braile que apitava ou vibrava quando recebia certos comandos.

O criador do dispositivo, Tom Sunderland, explica que o método escolhido para confeccionar o aparelho ajuda a manter os custos baixos “A impressão 3D é uma alternativa rápida e barata na criação de botões personalizados em braile”, explica.

A empresa é pioneira na criação de telefones impressos em 3D. Em 2012, foi uma das primeiras a criar telefones construídos dessa maneira, com outro OwnFone. Em 2013 surgiu o 1stfone, celular indicado para crianças que traz botões programáveis de contatos como “Mamãe” e “Papai”. Os telefones são pequenos (têm o tamanho de um cartão de crédito) e fáceis de utilizar.


Fonte: BBC e Olhar Digital

Compartilhe

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu Comentário é muito importante para nós.

Cursos e Eventos

Vídeos no Youtube

Imagem 1

Imagem 1
20 anos na cadeira de rodas

Imagem 2

Imagem 2
Tetra Dirigindo? Como consegui tirar a CNH

Imagem 3

Imagem 3
Mobilidade total com a Unawheel

Lives da Fê no Insta

Live com o Paulinho

Live com o Paulinho
Pais e Filhos mais que especiais com Paulinho

Live COnVivenDo com o vírus

Live COnVivenDo com o vírus
COnVivenDo com o vírus, com o Dr. Ricardo Ramos

Live com Mônica Mostrinha

Live com Mônica Mostrinha
A transformação da vida da esgrimista Mônica Santos após se tornar cadeirante.