28/07/2014

Alunas do 11º ano criam roteiro turístico para invisuais em Porto

Notícias de Portugal

Premiado pela Fundação da Juventude, o projeto para criar no Porto um roteiro turístico para deficientes visuais vai disputar essa proposta com outros jovens inovadores

Em causa está o projeto “Blind Senses [Sentidos Cegos]“, com que Ana Lopes, Caroline Alves, Diana Lago, Liliana Oliveira e Sofia Oliveira, alunas do 2.º ano do Curso Profissional de Técnico de Turismo, venceram a competição de ideias inovadoras em contexto de “Turismo e Mobilidade”.

Patrícia Martins é a docente que orientou o projeto e, em declarações à Lusa, realça que o “Blind Senses” nasceu da sensibilidade das próprias estudantes, que, após a sua pesquisa, “detetaram uma lacuna na oferta turística do Porto, que é o facto de não haver roteiros para este tipo específico de público”.

“Hoje em dia dá-se muito destaque às sensações no que se refere a spas, programas de bem-estar ou gastronomia, mas a realidade é que não se explora isso na perspetiva das pessoas que, por não terem visão, até têm os outros sentidos mais apurados”, explica a professora.

Ana Lopes, porta-voz as autoras do projeto, confirma que o objetivo do grupo era “criar algo diferente, que incluísse todo o tipo de turistas e permitisse que os não podem ver pudessem conhecer na mesma o Porto, nas suas diferentes formas”.

A parte mais divertida na concretização dessa proposta foi “experimentar as coisas de olhos fechados”, como se as cinco estudantes fossem deficientes visuais, e a mais decepcionante foi cortar no número de itens inicialmente previsto para o roteiro, “ou porque tinham acessibilidades difíceis, ou porque eram muito caros”.

Ana Lopes garante que o roteiro definitivo propõe, ainda assim, “experiências muito boas”, como a degustação de uma francesinha num estabelecimento reputado, para potenciar a descoberta de uma das maiores tradições da cidade ao nível do paladar.

Já no que se refere à audição e ao olfato, por exemplo, o percurso do “Blind Senses” inclui passagens pela Praça da Ribeira, para vivência do Douro, e continua pelo Mercado do Bolhão, onde Patrícia Martins diz que se irá apreciar “o aroma das frutas, das flores, e também o bulício próprio da clientela e os pregões dos comerciantes”.

O tato, por sua vez, estará em destaque na Igreja de S. Francisco, onde os turistas invisuais à descoberta do Porto terão oportunidade de tocar a talha dourada e sentir as pedras dos claustros, numa experiência potenciada “por luvas de algodão”.

Terá sido por esses e outros detalhes que o júri da Fundação da Juventude distinguiu o Blind Senses. “[O projeto] foi escolhido por unanimidade pela sua criatividade, inovação e exequibilidade”, lê-se no site desse organismo. “É inclusivo, criativo e de fácil implementação, tendo as alunas feito uma abordagem muito profissional e com pleno domínio dos conteúdos”, acrescenta.

A disponibilização efetiva deste circuito está dependente, contudo, da sua dinamização por empresas entidades do setor do turismo e hotelaria. Patrícia Martins revela que o projeto já foi apresentado a algumas empresas, mas desconhece ainda o que possa vir a resultar desse contacto.

Certo é que, no arranque do próximo ano letivo, as autoras do Blind Senses começarão a preparar a sua participação no concurso em que o projeto premiado pela Fundação da Juventude “deverá competir com as propostas que venceram em Espanha e Itália” – os países que, com Portugal, integram o cluster Sea Cities [Cidades Marítimas].


Fonte: Notícias ao Minuto e Blog Turismo Adaptado
Proxima Anterior Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Seu Comentário é muito importante para nós.