09/04/2014

Projeto Rio Mova-se oferece fisioterapia para pessoas com deficiência

Depois de um acidente doméstico, em que ficou com as duas pernas imobilizadas, a dona de casa Selma Lírio Pereira da Silva, de 60 anos, achou que nunca fosse se recuperar, mas ao saber do lançamento do Projeto Rio Mova-se, que aconteceu na manhã deste sábado, em Irajá, bairro da zona norte do Rio de Janeiro, sua esperança voltou. “Estou achando ótimo. Deus me deu uma nova oportunidade”, comemorou.


Dona Selma é uma das mil inscritas no Projeto Rio Mova-se da Secretaria de Estado de Assistência Social (SEASDH), que é realizado em parceria com a Prefeitura do Rio, e que vai atender mensalmente pessoas com deficiência e dificuldades nos movimentos. O atendimento é das 17h30 às 22h, no núcleo do Centro de Fisioterapia do Estado do Rio de Janeiro, que fica na Avenida Monsenhor Felix.



“Um momento muito feliz na minha vida. Jamais achei que isso pudesse acontecer, mas já que chegou, eu vou participar do projeto”, disse Nercy Pereira, de 72 anos. A idosa declarou ainda que o Mova-se é uma ótima oportunidade de sair do sedentarismo.



Os casos das duas cidadãs da terceira idade são diferentes, mas a atuação do Mova-se no tratamento delas é igual: após uma avaliação de uma equipe multidisciplinar, o processo de recuperação tem início com o acompanhamento da própria família, que também participará de um curso de cuidador de idosos com previsão para funcionar no próximo mês.



Para o secretário de Assistência Social e Direitos Humanos, Pedro Fernandes, de 30 anos, o projeto é a realização de um sonho. “Eu mesmo sofri com uma dolorosa recuperação, após romper os ligamentos de um braço. E, depois de passar por este sofrimento, tenho a felicidade de inaugurar este que é o primeiro Centro de Fisioterapia do Estado do Rio de Janeiro. Uma oportunidade de proporcionar tratamento às pessoas que antes não conseguiam este acesso na rede particular, nem conveniada, e, por conta disso, acabavam se tornando deficientes e com limitações eternas”, realçou Pedro Fernandes.



Segundo ele, o Rio Mova-se é uma oportunidade das pessoas voltarem às atividades físicas e sociais com dignidade. “Fizemos uma parceria com a Prefeitura, através das Clínicas das Famílias, que vão encaminhar os pacientes. Vamos fazer a triagem e o atendimento imediato. A equipe é formada por profissionais de fisioterapia. O tratamento que não é feito pelo Programa das Pessoas com Deficiência, da Prefeitura do Rio, vamos complementar com o Centro de Fisioterapia do Estado”, ressaltou o secretário, que na ocasião, disse que a ideia é lançar sete projetos iguais a este até o fim do ano.



Pedro Fernandes ressaltou que quase 40% das pessoas com deficiência não têm acesso ao tratamento de fisioterapia. “Até as pessoas que possuem uma condição financeira melhor têm dificuldades em fazer tratamentos de fisioterapia. Isso é obrigação do poder público, que deve correr atrás deste prejuízo e proporcionar este benefício a toda população”, finalizou.



Fonte: Governo do Rio de Janeiro e Blog Vida mais Livre
Proxima Anterior Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Seu Comentário é muito importante para nós.