16/02/2014

Cadeira inovadora dá mais autonomia a tetraplégicos

Testes terão continuidade para aprimoramento do protótipo, que poderá ter patente requerida em nome da UEL

Projeto desenvolvido pelo Laboratório de Controle Avançado, Robótica e Engenharia Biomédica, do curso de Engenharia Elétrica do Centro de Tecnologia e Urbanismo (CTU) da Universidade Estadual de Londrina (UEL) resultou em uma solução de baixo custo para melhorar a autonomia de pessoas com paraplegia ou tetraplegia.


Paratletas da equipe de basquete de cadeira de rodas de Londrina testaram nesta segunda-feira (10) o protótipo desenvolvido em laboratório, movido por sopro e sucção, dispensando qualquer outro esforço físico.


Os primeiros movimentos em condições reais mostraram uma cadeira ágil, de respostas rápidas. Os testes devem ter continuidade para aprimoramento do protótipo, que poderá ter patente requerida em nome da UEL, para posterior repasse de tecnologia a empresas que tenham interesse em fabricar o produto em escala comercial.

O modelo foi desenvolvido a partir de uma ideia do pesquisador Walter Germanovix, em 2000, a partir da refilmagem de “Janela Indiscreta”, protagonizado por Christopher Reeve e Daryl Hannah. Na época Germanovix e o também pesquisador da UEL, Ruberlei Gaino eram alunos de doutorado na Universidade de Londres. O projeto ganhou força a partir de 2006, com financiamento da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (SETI).

Um dos diferenciais é justamente o baixo custo, se comparado a produtos importados, que custam até R$ 70 mil, segundo a professora, Sílvia Galvão Cervantes, uma das integrantes do Laboratório de Controle Avançado, atualmente diretora do CTU. Ela estima que a cadeira “made in Brazil” possa chegar a um custo de R$ 6 mil, tornando-se bem mais acessível. “O usuário deste equipamento sempre será dependente, mas ganhará autonomia para locomover-se, sobretudo em casa”, definiu Sílvia.

O professor Ruberlei explica que o modelo “pé vermelho” tem custo acessível porque utiliza componentes igualmente baratos. Os pesquisadores desenvolveram um módulo de baixo custo, com circuitos e sensores avaliados em aproximadamente R$ 500,00. A cadeira elétrica tem custo estimado de cerca de R$ 3 mil. O diferencial é exatamente a tecnologia de última geração, desenvolvida na UEL, utilizando softwares e recursos da Engenharia Biomédica.

Modelo para a Holanda

O projeto envolveu pelo menos sete professores e cerca de 15 alunos de graduação (Iniciação Científica) e pós-graduação (Mestrado) e serviu inclusive de modelo para cientistas da Holanda, que vieram conferir o trabalho desenvolvido pela UEL.

O estudante de mestrado em Engenharia Elétrica, Édino Gentilho Júnior, está concluindo sua dissertação com base na experiência da cadeira de rodas. Coube ao estudante, que tem apenas 26 anos, aprimorar a tecnologia embutida no protótipo até os testes finais.

Segundo o mestrando, sua função foi retirar a cadeira da bancada adaptando-a as condições reais de utilização. Ainda não há testes sobre a durabilidade da bateria, cuja recarga ocorre com o uso da energia elétrica. Ele estima que a autonomia do modelo seja de 15 horas.

Fonte: Agência UEL

Contatos com a redação do Planeta Sercomtel podem ser feitos pelo telefone (43) 3323-0280 ou pelo e-mail: planeta1@sercomtel.com.br
Proxima Anterior Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Seu Comentário é muito importante para nós.