17/10/2013

'Escrevi a primeira carta em 15 anos graças a professora', diz internauta

Luciane capacita docentes que ensinam deficientes visuais, como Janete.
Veja essa e outras histórias de pessoas que transformam a vida escolar.

A professora Luciane (em pé) com as alunas Gisele e Janete (sentada, à dir,)
(Foto: Janete Brandão de Moura Effting/VC no G1)
Com o objetivo de conhecer histórias de professores que fazem a diferença no ambiente escolar e de homenageá-los neste 15 de outubro, Dia dos Professores, o G1 pediu aos seus leitores que enviassem relatos sobre docentes que transformaram a vida de alunos e do lugar em que estudam.

É o caso da professora Luciane Maria Molina Barbosa, 30 anos, que, capacitando professores videntes (que enxergam), dá orientação para lecionar alunos com deficiência visual e assim transforma a vida de muitos estudantes cegos de várias cidades da região do Vale do Paraíba, em São Paulo. Além disso, ela também ajuda individualmente pessoas com problemas na visão.

Uma das alunas beneficiadas por Luciane tem mais que o dobro da idade da professora. Janete Effting, 61 anos, lecionou língua portuguesa durante toda a vida e, há 15 anos, perdeu a visão devido a uma toxoplasmose. "Eu, que já fui professora, sinto nela muita liderança, criatividade, dinamismo e uma didática muito legal. É uma pessoa que admiro muito”, diz

Ela diz que durante muito tempo ficou em casa sem fazer nenhuma atividade e que depois de conhecer a professora Luciane aprendeu rapidamente os caminhos da internet. “Isso ajudou a aumentar minha autoestima, consigo me relacionar com as pessoas pelas redes sociais e esta carta [relato] que enviei ao G1 foi a primeira que escrevi sem ajuda em 15 anos. Desafio que venci graças a Luciane.”
Janete Effting, 61 anos, professora aposentada
Quem também ajuda a mudar a vida de dezenas de crianças é a professora Geneci Wiest, educadora na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Viamão, região metropolitana de Porto Alegre.

Ela ajudou a criar em 2004 o projeto Chuá, uma parceria entre a Apae e clubes da cidade para oferecer estrutura para aulas e treinamentos em piscinas a alunos que têm autismo e síndrome de Down.
“O projeto foi criado para os alunos desenvolverem melhor seus movimentos, mas, depois de alguns anos, vários começaram a se destacar e já ganhamos prêmios em competições no Estado”, diz Jorge Anderson Diefenthaeler Coelho, estudante de Educação Física e atleta amador de natação que foi chamado para trabalhar no projeto.
“Muita gente achava impossível, mas eles podem competir. A Geneci criou o programa pensando na dificuldade dessas crianças e elas estão ficando cada vez melhores, tanto na parte motora quanto na questão da autoestima”, afirma.
Atualmente o projeto tem 8 atletas e 40 crianças atendidas.
Jorge Anderson Diefenthaeler Coelho, professor de natação
Melhorar a vida escolar e beneficiar seus alunos foi o que conseguiu a professora Lalesca Almeida Santos, 20 anos. Ela começou a dar aula na Escola Pasquale Magnavita em março de 2013, na cidade de Itapebi (BA), e começou a inserir uma horta sustentável no cotidiano da escola.
“A horta fica a aproximadamente 100 metros da escola em um terreno doado por Aldeci Almeida, que é mãe de Lalesca”, diz Gutemberg Stolze, amigo da professora.
A instituição fica na zona rural do município e tem apenas 11 alunos em uma sala ‘mista’, os quais são de séries diferentes do Ensino Fundamental.
As atividades na horta acontecem às sextas e os alunos contribuem com o plantio de sementes, limpeza, mudança de recipiente, colheita etc.
“Os produtos da horta são doados a outras escolas e para as famílias dos alunos. Os estudantes também aprendem as propriedades dos alimentos e suas vitaminas, a importância de consumir produtos saudáveis. É uma atividade que agrega muito aos alunos”.
Gutemberg Stolze, 40 anos
Na década de 1980, Francirosy Ferreira estudou no Colégio Madre Cabrini, na Vila Mariana, Zona Sul de São Paulo, onde teve aulas de matemática com Márcio Antunes, um dos professores mais marcantes de sua vida.
“Logo percebi que, além de matemática, ele falava da vida, vida esta que não seria fácil, mas que seria resultado de nossas ações”, afirma.
Ela considera que professor faz a diferença mesmo é dentro da sala de aula. “O professor tem que ter conhecimento suficiente na matéria, uma aula bem preparada e, acima de tudo, vontade de ensinar e de ajudar os alunos, tanto nas disciplinas quanto na vida”.
Francirosy é atualmente professora de antropologia na USP-Ribeirão Preto e a foto com Márcio foi tirada no dia de sua formatura no Ensino Médio.
“Disse ao Márcio que se o diploma caísse com outro professor, na hora da entrega dos diplomas, que agradeceria mas que o entregaria de volta. Teria que ser ele a me entregar. Para minha surpresa, ele gentilmente conversou com a professora ao lado quando falaram o meu nome, e foi ele que entregou o diploma.”
Francirosy Ferreira, 44 anos, professora universitária


Professora Geneci com aluna. (Foto: Jorge
Anderson Diefenthaeler Coelho/VC no G1)
Lalesca, professora em Itapebi, Bahia
(Foto: Gutemberg Stolze/VC no G1)
Márcio Antunes, professor de matemática, entrega diploma para Francirosy em sua formatura
(Foto: Francirosy Ferreira/VC no G1)


 
Fonte: G1
Proxima Anterior Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Seu Comentário é muito importante para nós.