03/06/2013

Bicicletas Adaptadas: vento no rosto com sensação de liberdade !!!

Incentivo, atenção e perspicácia. Três palavras que usadas individualmente não apresentam tanto efeito assim, mas quando anexas a um objetivo têm o poder de propiciar intensas sensações traduzidas em ações rotineiras. A adaptação de bicicletas para pessoas com deficiência, feita pela ONG Embrião, em Alvorada/RS, permitiu que a criatividade, junto à prática sustentável, trouxesse novas experiências àqueles que tanto os motivaram.

A ONG, em parceria com a Escola Estadual Salgado Filho, também do Rio Grande do Sul, confeccionou dois tipos de bicicleta com adaptações específicas para cegos, cadeirantes e muletantes. Com pouco, se fez muito: através do recebimento de materiais e peças doadas, pedaços de ferro, cantoneiras e soldas, a entidade ergueu os modelos que permitem passeios sem restrições para pessoas com vários tipos de deficiências diferentes.

O tipo destinado a pessoas com deficiências visuais, ou com baixa visão, tem em sua estrutura duas bicicletas interligadas, que permitem, assim, que as voltas sejam guiadas por um vidente. O modelo foi apelidado de ODKV (o de cá vê), um jeito descontraído de brincar com o ciclista que, através do acompanhante, pode enxergar o trajeto. Já a outra adaptação, direcionada a cadeirantes, pessoas que se utilizam de muletas e com outros tipos de deficiências físicas, ocorre acerca dos guidões. A força necessária para locomoção, que acontece tradicionalmente nos pedais, é remetida para cima, no guidão, possibilitando que os movimentos sejam feitos pelas mãos ao invés dos pés. Ambos os tipos se adéquam ao tamanho e deficiência do condutor, ou conduzido, e são produzidos individualmente. A “ODKV” tem modelos pequenos e grandes, com aros de 20” a 26”. E uma outra, individual, que é específica para quem se locomove sem a necessidade do uso dos membros inferiores. Para a fabricação desse modelo, que tem características específicas para cada usuário, a ONG possui um protótipo que é utilizado para tirar as medidas e verificar as necessidades de cada condutor, antes da confecção da sua bicicleta.

A ideia surgiu devido ao incentivo dado pelos alunos do Projeto EducaAção EcoLógica, realizado em Alvorada/RS e na região metropolitana de Porto Alegre/RS, com intuito de repassar a educação ambiental para crianças e adolescentes utilizando jogos de xadrez como ferramenta de trabalho lúdico. Paralelamente, a ONG apoia e organiza diversos passeios ciclísticos pela cidade, o que levou os estudantes, entre os quais 12 são com deficiências visuais, a motivar a criação de uma bicicleta compatível às suas necessidades para que também pudessem participar dos percursos feitos. Atualmente, segundo o Coordenador de Projetos da Embrião, Josué Aguiar, há 40 pessoas participantes desse cenário, dentre cegos e PcD físicas. A equipe disponibiliza a produção das bikes adaptadas gratuitamente às pessoas com deficiência sem condições financeiras, quando recebem apoio para confecção. Para os interessados que podem pagar pelas bicicletas é necessário um agendamento prévio para avaliação de cada caso.

Na última quinzena do mês de março, com o trabalho já pronto e posto em prática, a ONG realizou alguns testes com as bicicletas adaptadas no centro de Porto Alegre. Para Josué, há um ponto especial: “a grande vantagem é que não é necessário saber andar de bicicleta, pois elas são seguras”. De acordo com o Coordenador, há também muitas solicitações de outras cidades para disseminar os modelos, contudo, devido aos altos custos de locomoção e aquisição de materiais não é possível atender toda a demanda. Dentre tantos pedidos, um foi feito pela ADEVISE - Associação dos Deficientes Visuais em Sergipe. Para eles, o grupo enviou o método explicativo – know how – sobre como confeccionar as bikes adaptadas.


A entidade gaúcha foi fundada em 2000 e realiza parcerias com outras instituições e organizações para promover a conscientização e inclusão social por meio de seus projetos pedagógicos, preservando, também, o meio ambiente. “O foco ambiental é a utilização da bicicleta como meio de transporte do futuro”, completou Josué.




Proxima Anterior Inicio

4 comentários:

  1. Respostas
    1. Olá Raicorina, td bem?
      O endereço é:
      R. Jaguari, 515 Alvorada - RS, 94824-210
      Telefones:(51)3483-2914 ou (51)9986-7734
      E-mails: ongembriao@gmail.com ou ongembriao2010@gmail.com
      http://ongembriao.blogspot.com.br/

      Excluir
  2. Legal demais! E acho que seria bom se conseguisse unir com uma bike elétrica.

    ResponderExcluir

Seu Comentário é muito importante para nós.