08/04/2013

Dr Scott Rains é entrevistado por Wenya Figueiredo - estudante de Mossoró


    Através de um projeto chamado "Intercâmbio Online" realizado com a Professora Martha Cristina Maia, a estudante nordestina Wenya Figueiredo conheceu Dr Scott Rains, um dos maiores nomes do Turismo Acessível Mundial e o entrevistou: 

1) Quais foram os maiores conflitos em sua vida? 

   Como jovem foram dois: 
   - Uma vez foi no primeiro dia de aula depois do natal, um moço me atacou com um canivete, eu estava com meu irmãozinho caminhando pela escola, ele e o irmãozinho dele seguiam atrás de nós fazendo um bullying com palavras (eles eram duma outra escola e nossos uniformes nos identificavam como católicos  e esse era o motivo da agressão). Mandei meu irmão ignorar o bullying. Em certo ponto ouvi um som como um assovio, meu irmão pode ver minhas costas e gritou: 
   - “Scott, ele tem faca e cortou seu casaco novo!”  
   Foi minha mãe que fez de presente de natal para mim. 
   Mandei meu irmão Jeff correr até a escola sozinho e eu fiquei para proteger meu irmão dum ataque deste covardinho. Assim que o Jeff ficou seguro com distância virei e meti o soco no queixo dele, ele ficou tonto, deixou cair o canivete que joguei na rua. Ele gritava de choque e medo, eu estava com tanta raiva dele ameaçar meu irmão e arruinar o presente feito com amor pela minha mãe que lembro que tive que resolver não empurrá-lo através da janela de vidro gigante da loja ao nosso lado. 
   -Outra vez, numa casa atrás da minha, morava um moço que também fazia bullying, era mais jovem e menor que eu então sempre o ignorava.  Eu sabia que ele vinha de família onde o pai bebia demais e a mãe dele não era capaz de protegê-lo bem, ele se chamava Billy, mas um dia ele faz algo que não aguentei, do pórtico da casa dele saiu com rifle tipo de caçar veado no meu estado. Apontou para mim. Ameaçou matar-me. 
   Naquela época, com 10 ou 11 anos já tinha bastante experiência com armas caçando com meu pai e praticando na carreira de tiro. A norma fundamental na minha ética foi nunca apontar arma a um ser humano. Não fiquei com medo dela, ao contrário fiquei com tanta raiva dele como se fosse uma criança mal comportada que eu teria que disciplinar. Em vez de fugir corria até ele que ficou surpreso demais, tirei o rifle dele e joguei no quintal vizinho. Então bati nele até ele chorar e dizer: 
  -“Pare, você está me matando!” Não foi o pedido dele que me convenceu a parar, foi o fato que já tinha arrastado ele até o meio da rua para o humiliar e o carro veio. Pouco depois a família saiu da casa e nunca voltou a vizinhança. Essa foi a ultima briga fisica da minha vida. 
   Com 17 anos tive um conflito grande, pois como a maioria dos conflitos da vida adulta foi interior e moral.
   Com 12 anos de idade notei que minha mão esquerda estava enfraquecendo, os médicos eliminavam várias possibilidades, até que com 17 anos, descobriram um tumor, de cancer na minha coluna dorsal. Explicaram-me que o câncer dos nervos foi um tipo muito agressivo e que quase tinham certeza que não existia cura e para verificar isso precisariam fazer uma biopsia. Eu não queria porque teriam que me abrir exatamente no mesmo lugar nas costas da cirurgia do ano anterior e doía demais e também não queria porque eles explicaram que a biopsia ia me deixar paralítico. Aceitei a ajuda deles e fizeram a cirurgia, Tinham razão fiquei paralisado.  Paralisou-me numa quinta-feira em novembro e no domingo anterior fui hotel pousadas aprovado como instrutor de esqui na neve. 

2) Quais os conflitos que você já encontrou no Brasil? 

   Os conflitos foram vários: Fui estudante de intercâmbio de colégio no Rio de Janeiro durante a ditadura, quando ainda podia andar. Por isso ganhei uma bolsa de estudos para a Universidade de São Paulo depois de virar cadeirante. Para preparar os estudantes universitários tinham um curso especial durante o Festival de Arte de Inverno, naquele ano foi em Ouro Preto em Minas Gerais. Imagine cadeira de rodas nas ruas de pedra portuguesa subindo os mil morros da cidade colonial dos Inconfidentes e do Aleijadinho. Meus conflitos foram com o ambiente e uma noção de construção que não dava conta das pessoas diferentes. Enfim, na USP, a gerência recusou me acomodar como cadeirante e tive que voltar para casa nos EUA. Fiquei longe do Brasil por quase 20 anos. Agora faço com que isso não aconteça a ninguém e por isso que sou fã da sua professora Marta e amigo de todos vocês que aprendem com ela sobre o que é justiça para os que são diferentes e prejudicados de qualquer maneira. 

3) Como voce vê a sua imagem sendo o sr. Scott Rains ? 

   Bom, como jovem tive a vergonha típica de adolescente, não fui considerado forte, nem bonito e sim meio inteligente. Rsrs, agora na última reunião da minha classe de colégio todos ficaram com ciúmes da minha educação, publicações e oportunidades de viajar pelo mundo inteiro. Como surpesa as mulheres da classe votaram em mim como o mais lindo dos homens. Mandei-as ir para o oftalmologista – mas gostei da atenção. 

4)Fale um pouco sobre a inclusão das pessoas com deficiência em seu país . 

   No meu país temos uma grande tradição de identificar uma injustiça e como um povo lutar contra ela. Na década 1970, nós pessoas com deficiências aprendemos e ganhamos o apoio dos norte-americanos negros para a nossa libertação. Seguimos o exemplo do grande Dr. Martin Luther King Junior. Aprendemos com uma verdade que se encontra no evangelho – somos uma comunidade. A libertação do indivíduo não está em ser totalmente independente, mas em se domar a ser “interdependente” – respeitar aos outros como se respeita a si mesmo. 

5)Qual sua opinião sobre esse trabalho da professora Martha entre alunos de escola pública com Scott Rains? 

   Adoro o trabalho da professora Martha, a criatividade dela me encanta, ela é uma fonte de ideias, histórias, projetos e sorrisos lindos. Ela aprendeu como poucas pessoas tem a coragem de aprender a amar o corpo dela e usar a diferença para revelar a beleza do que é um ser humano. 

6) Deixe uma mensagem para os jovens. 

   Amigos e amigas, vocês vão encontrar um mundo diferente desse em que eu vivi. Isso é muito bom! Vêm oportunidades econômicas ao nordeste e influências culurais por todas partes do mundo. Não se esqueçam do que é ser nordestino e nem da música, comidas e valores humanos que são seus. Estudem bem para se preparar para as mudancas que vêm e se acontecer de algum dia uns de vocês mudarem para outra região ou fora do Brasil levem com vocês o orgulho de ser Braslieiro e Nordestino. Ao mesmo tempo que tomam conta da justiça para nós com deficiências físicas, sensoriais como cega ou surda, ou intelectuais como síndrome, lembrem-se do seu meio ambiente único e frágil. As mudanças no clima vão levar mudanças boas e más para sua região. Sempre escolha o que melhore e cicatrize o nosso planeta.  Entrevista realizada por Wenya Vanessa Alves Figueiredo, estudante do Colégio Evangélico Leôncio José de Santana, em Mossoró -RN e aluna da professora Martha Cristina Eleurério Maia.
Wenya Figueiredo 

Proxima Anterior Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Seu Comentário é muito importante para nós.