25/02/2013

Técnica melhora controle dos reflexos e aumenta mobilidade após lesão na medula

Treinamento que induz pacientes com
lesão incompleta a suprimir seus reflexos
 eleva velocidade de caminhada em 59%


Um regime de treinamento para ajustar os reflexos motores do corpo pode ajudar a melhorar a mobilidade de pessoas com lesão medular incompleta, de acordo com estudo da Columbia University, nos EUA.

Durante o treinamento, os participantes foram instruídos a suprimir um reflexo instintivo como provocado por um pequeno choque na perna. Aqueles que foram capazes de acalmar reflexos hiperativos, efeito comum de lesões da medula espinhal, viram melhorias na sua capacidade de caminhada.

“As pessoas tendem a pensar em reflexos, como fixos, mas, na realidade, o movimento normal requer sintonia fina constante dos reflexos pelo cérebro. A perda de sintonia fina é uma parte importante da deficiência que vem com uma lesão na medula espinhal”, explica o pesquisador Jonathan Wolpaw.

Quando o cérebro toma a decisão de se mover, ele envia sinais que viajam através da medula espinhal para os músculos apropriados. Reflexos espinhais fornecem um caminho para o corpo reagir e se movimentar rapidamente, sem uma decisão consciente do cérebro. “Eles permitem que você afaste sua mão de um fogão quente antes de sentir a dor e sofrer queimaduras graves. O cérebro pode gradualmente aumentar ou suprimir reflexos, conforme necessário”, observa o pesquisador.

Algumas lesões da medula espinhal envolvem uma ruptura completa e paralisia abaixo do ponto de lesão. Mais tipicamente, apenas uma parte da coluna vertebral está danificada, levando a deficiência menos grave. Após uma lesão incompleta, alguns reflexos podem ser enfraquecidos, enquanto outros exagerados. Esses reflexos hiperativos podem causar espasticidade (rigidez muscular) e padrões anormais de uso do músculo durante o movimento.

O estudo
Wolpaw e a líder da pesquisa Aiko Thompson analisaram 13 pessoas que ainda eram capazes de andar após lesão medular incompleta que ocorreu a partir de oito meses a 50 anos antes do estudo. Todos tinham espasticidade e uma diminuição da capacidade de caminhada.

O objetivo era determinar se esses indivíduos poderiam ganhar mobilidade aprendendo a suprimir um reflexo-H espinhal, que é provocada por estimulação elétrica, em vez de por um estiramento do tendão. Reflexos-H são medidos rotineiramente para o diagnóstico de doenças nervosas e lesões, mas este é o primeiro estudo a examinar se conscientemente modificar um H-reflexo pode ajudar pessoas com lesões na medula espinhal.

Os participantes do estudo receberam a estimulação elétrica para o sóleo (músculo da panturrilha) de sua perna mais fraca. Durante as 10 semanas seguintes, nove participantes foram submetidos a três sessões de treinamento por semana, durante as quais eles viram o tamanho de seus reflexos em um monitor e foram encorajados a suprimi-lo. Um grupo controle de quatro participantes recebeu a estimulação, mas nenhum feedback sobre seus reflexos.

Antes e depois dessas sessões, os pesquisadores mediram a velocidade de caminhada dos participantes por uma distância de 10 metros.

Seis dos nove participantes do grupo de treinamento foram capazes de suprimir seus reflexos. Sua velocidade de caminhada aumentou 59% em média, e sua marcha se tornou mais simétrica. Estas melhorias na velocidade e simetria não foram vistas em três participantes que foram incapazes de suprimir seus reflexos, ou no grupo de controle.

Segundo os pesquisadores, os resultados oferecem esperança de que o condicionamento do reflexo pode produzir melhorias significativas para alguns pacientes com lesão medular incompleta.

Fonte: isaude.net
Proxima Anterior Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Seu Comentário é muito importante para nós.